Contabilidade 4.0: como a Inteligência Artificial está revolucionando o setor

Com o avanço da tecnologia, o tempo em que se associava a contabilidade apenas à escrituração contábil e ao cumprimento das obrigações fiscais e tributárias ficou para trás. A chegada da Inteligência Artificial (IA), por sua vez, tem trazido para a contabilidade relevantes transformações digitais, como por meio da chamada “Contabilidade 4.0” que tem revolucionado a maneira como os profissionais da área trabalham e tomam decisões.

A Contabilidade 4.0 é uma nova abordagem para a gestão contábil que utiliza tecnologias digitais avançadas para automatizar processos, melhorar a eficiência e qualidade dos serviços, reduzir custos e oferecer insights valiosos. Com a ajuda de algoritmos, as empresas podem coletar, processar e analisar grandes volumes de dados em tempo real, realizar atividades repetitivas e burocráticas de forma automática, reduzindo o tempo gasto com tarefas operacionais.

Isso permite aos contadores maior concentração para análises mais complexas e tomadas de decisões estratégicas. Além disso, a Inteligência Artificial pode ser usada para prever tendências financeiras, detectar fraudes, agilizando processos de auditoria e garantindo a conformidade com as normas e regulamentações contábeis.

Também é possível a realização de análises preditivas, que, no que lhe concerne, podem ser usadas para prever comportamentos do consumidor, prever o desempenho financeiro, prever defeitos em equipamentos e prever tendências de mercado.

Benefícios da implementação da IA

Um dos principais benefícios da implementação da Inteligência Artificial (IA) na contabilidade é a automatização de processos manuais e repetitivos. Com a ajuda da IA, tarefas como classificação de despesas, conciliação bancária, cálculo de impostos e elaboração de relatórios contábeis podem ser realizadas de forma mais rápida e eficiente, reduzindo o tempo gasto com atividades operacionais, erros humanos e permitindo que os contadores se concentrem em atividades de maior valor agregado, como análises mais complexas e precisas em curto tempo.

A IA pode ajudar ainda a identificar áreas em que os custos podem ser reduzidos, identificando despesas excessivas ou otimizar o fluxo de caixa, além de coletar e processar grandes quantidades de dados financeiros de forma automatizada. Isso inclui a extração de dados de fontes externas, como relatórios de mercado e dados de clientes, bem como dados internos, a exemplo dos registros financeiros e contábeis. Também é possível mensurar tendências e padrões nos dados financeiros, ajudando a prever tendências futuras.

Gestão financeira e empresarial:

No campo das finanças das empresas, a Inteligência Artificial assume um posto de relevância. Veja algumas contribuições:

1.     Detecção de fraudes:

pode identificar padrões suspeitos nas transações financeiras e alertar as empresas para possíveis fraudes. Isso pode ajudá-la a detectar fraudes mais rapidamente e reduzir os prejuízos.

2.     Gerenciamento de riscos:

contribui na identificação e gerenciamento de riscos financeiros, como a volatilidade do mercado e a exposição cambial. Isso colabora para que as empresas tomem medidas preventivas para minimizar os riscos e proteger suas finanças.

Ferramentas:

Existem várias ferramentas de Inteligência Artificial (IA) que podem ser usadas para aumentar a agilidade na geração e análise de relatórios financeiros. Algumas das mais comuns incluem:

1.     Processamento de Linguagem Natural (PLN):

A PLN é uma técnica de IA que permite que os sistemas compreendam e processem a linguagem humana. Útil para analisar grandes quantidades de dados financeiros e gerar relatórios automaticamente.

2.     Aprendizado de Máquina (Machine Learning):

possibilita que os sistemas aprendam e melhorem com o tempo. Previsão de tendências financeiras e identificar oportunidades de investimento.

3.     Robótica de Processos Automatizados (RPA):

é uma tecnologia que permite que os sistemas executem tarefas repetitivas de forma autônoma, como geração de relatórios financeiros, reduzindo o tempo e o esforço necessários para concluir essa tarefa.

4.     Análise de Dados:

possibilita que os sistemas identifiquem padrões e tendências em grandes conjuntos de dados. Indicado para analisar dados financeiros e gerar relatórios mais precisos e detalhados.

5.     Chatbots:

são sistemas de conversação que podem ser usados para responder a perguntas e fornecer informações financeiras aos usuários. Isso pode ser usado para fornecer informações financeiras em tempo real e reduzir a necessidade de gerar relatórios.

Desafios

A implementação de IA na contabilidade não é isenta de desafios. Para superá-los, é essencial a formação de profissionais e a integração de sistemas. Os profissionais precisam ter conhecimento técnico sobre IA, visto que a falta dele pode levar a erros na implementação e uso inadequado da tecnologia, resultando em ineficiência operacional e na obtenção de resultados imprecisos. 

Outro desafio é a integração de sistemas. Ela permite que a IA interaja com outras ferramentas e sistemas da empresa, facilitando o acesso a informações relevantes e melhorando a eficiência e a qualidade dos processos contábeis, o que pode ser um processo complexo que requer compreensão completa da arquitetura do sistema e identificação de possíveis conflitos ou problemas de compatibilidade. 

Além disso, é preciso destacar que a IA na contabilidade também apresenta desafios em relação à ética e à privacidade dos dados, uma vez que possibilita a coleta e análise de dados pessoais e confidenciais, o que exige cuidados especiais para garantir a privacidade e a segurança dessas informações.

Segurança e privacidade dos dados financeiros

Com a crescente utilização de sistemas de inteligência artificial na área financeira, a segurança e a privacidade dos dados financeiros tornam-se cada vez mais importantes. Elas são fundamentais para garantir que informações como contas bancárias, históricos de transações e informações pessoais sejam protegidas contra fraudes.

As empresas que utilizam sistemas de IA em finanças devem garantir que os dados dos clientes sejam protegidos e mantidos em sigilo. Isso inclui o uso de medidas de segurança, como criptografia de dados, autenticação de usuário e protocolos de segurança. Ao não priorizarem a segurança e a privacidade dos dados financeiros, podem enfrentar graves consequências financeiras e de reputação.

Perspectivas para o futuro da contabilidade

A IA vem trazendo muitas oportunidades para automatizar processos contábeis e melhorar a detecção de fraudes e erros, com isso, as perspectivas para o futuro da contabilidade são promissoras. No entanto, para se preparar para essas mudanças, as empresas precisam estar dispostas a investir em tecnologia e capacitação de seus profissionais e a repensar seus processos contábeis.

Essa integração contabilidade x Inteligência Artificial pode ser um processo gradual. Vale começar com projetos-piloto e testes de conceito antes de implementar completamente a tecnologia em toda a empresa.

Não perca tempo: Conheça os documentos essenciais para enviar mensalmente à contabilidade

Para garantir uma gestão financeira eficiente e adequada, é fundamental manter a contabilidade da sua empresa sempre atualizada e organizada. E isso só é possível por meio do envio mensal de alguns documentos essenciais à contabilidade.

Esses documentos são fundamentais para que os profissionais responsáveis possam realizar a análise das movimentações financeiras da empresa, fazer a conciliação bancária, emitir notas fiscais, calcular impostos e outras obrigações legais, o que contribuem com a saúde financeira da empresa.

Isso porque é por meio desses documentos que a contabilidade consegue realizar a escrituração fiscal e contábil, além de gerar os demonstrativos financeiros essenciais para o acompanhamento da empresa, auxiliando na tomada de decisões estratégicas e na identificação de possíveis problemas que precisam ser solucionados.

Lista de documentos

A seguir, listamos os principais documentos que devem ser entregues mensalmente à contabilidade:

1.   Notas fiscais de entrada e saída:

São documentos que comprovam a compra de mercadorias e serviços e também a venda de produtos ou serviços prestados pela empresa. Essas notas fiscais são utilizadas para cálculo dos impostos e também como base para a contabilização de despesas e receitas.

2.  Comprovantes de pagamento:

São documentos que comprovam o pagamento de despesas da empresa, como aluguel, energia elétrica, água, telefone, internet, entre outros. Esses comprovantes são importantes para o registro das despesas e para o cálculo dos impostos.

3.  Extrato bancário:

O extrato bancário é o documento que registra todas as movimentações financeiras da empresa, como depósitos, saques, transferências, pagamentos de contas, entre outros. Esse documento é importante para a conciliação bancária, que consiste na comparação das informações do extrato bancário com as informações do livro caixa da empresa.

4.  Livro caixa:

É o registro das movimentações financeiras da empresa em dinheiro, como recebimentos e pagamentos. Esse documento é importante para o controle do caixa da empresa e para a contabilização das receitas e despesas.

5.  Folha de pagamento:

É o documento que registra as remunerações dos funcionários da empresa, incluindo salários, horas extras, comissões, entre outros. Essa informação é importante para o cálculo dos impostos e também para o controle das despesas com pessoal.

6.  Declarações fiscais:

São documentos obrigatórios que devem ser entregues à Receita Federal, como a Declaração de Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (DIPJ) e a Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF). Essas declarações devem ser entregues dentro do prazo estipulado pela Receita Federal.

Além desses documentos, existem outros que podem ser importantes conforme a atividade da empresa, como, por exemplo, os contratos de prestação de serviços, recibos de aluguel, entre outros.

Notas fiscais, recibos e comprovantes de pagamento

A entrega desses documentos é uma prática extremamente importante para garantir a transparência e legalidade das transações comerciais. Eles são uma forma de comprovar a compra e venda de produtos ou serviços, além de atestar que os impostos foram devidamente pagos.

A nota fiscal, por exemplo, contém informações sobre a operação comercial, como o valor dos produtos ou serviços, a quantidade, a data da transação, o nome do comprador e do vendedor, entre outras informações relevantes. Ela é uma obrigação legal, pois sua emissão é exigida por lei em todas as transações comerciais.

Já os recibos e comprovantes de pagamento são documentos que comprovam o pagamento de um produto ou serviço, indicando o valor pago, a data e a forma de pagamento, servindo para o comprador comprovar que efetuou o pagamento e para que o vendedor possa registrar a receita e controlar suas finanças.

Para além da importância da comprovação de compra e venda, eles também são fundamentais para a prestação de contas ao governo e para a geração de créditos tributários, como o ICMS, PIS e COFINS. Além disso, a falta de comprovação fiscal pode gerar multas e sanções fiscais, o que pode prejudicar tanto o vendedor quanto o comprador.

Falta de documentos, consequências para a gestão financeira

A ausência de documentos pode prejudicar a gestão financeira de uma empresa de várias maneiras. Algumas delas são:

  • Impossibilidade de identificar o fluxo de caixa da empresa;
  • Incapacidade de avaliar o desempenho financeiro da empresa;
  • Falta de comprovação de despesas e receitas, o que pode levar a problemas 

A falta de documentos pode ser ainda mais prejudicial em situações de fiscalização ou auditoria, pois a empresa pode ser multada ou ter problemas com o fisco fiscais.

Atualização constante dos registros contábeis

É fundamental para garantir a precisão das informações financeiras da empresa, a atualização constante dos registros contábeis. Isso porque, quanto mais atualizados estiverem os registros, mais facilmente será possível identificar desvios ou erros que possam estar prejudicando a saúde financeira da empresa.

Além disso, ela permite que a empresa possa planejar suas ações com base em informações precisas e atualizadas, o que é fundamental para o sucesso dos negócios.

Entrega de documentos à contabilidade e a transparência financeira

Quando os documentos são entregues à contabilidade com regularidade, a empresa demonstra que está comprometida em manter a transparência em suas operações financeiras, permitindo que contadores possam registrar com precisão todas as transações financeiras e reflita de forma fiel à realidade da empresa.

A transparência financeira é crucial para a confiança dos stakeholders, incluindo clientes, fornecedores e investidores.

Entrega de documentos no futuro

O futuro da entrega de documentos à contabilidade parece estar cada vez mais digital e automatizado. Com o avanço da tecnologia, as empresas contábeis estão buscando soluções para facilitar e agilizar o processo de entrega de documentos por parte dos seus clientes.

Uma das principais tendências é o uso de plataformas digitais, que permitem o envio de documentos de forma eletrônica e a realização de todo o processo de forma remota. Por meio das tecnologias como inteligência artificial e machine learning é possível a automatização de tarefas repetitivas e rotineiras, e o uso do blockchain, garante segurança e a autenticidade dos documentos.

A digitalização dos documentos, por exemplo, permitirá que a contabilidade possa ser realizada remotamente, o que pode ser especialmente útil em momentos de crise, como a pandemia de Covid-19.

Descubra porque mais de 1000 clientes já escolheram a BRASCT para ser o seu escritório de contabilidade

A BRASCT é um escritório de contabilidade formado por especialistas que trabalham com muita seriedade para assegurar a satisfação de seus clientes no que diz respeito aos processos contábeis, tributários e de recursos humanos. Nossos clientes gerenciam seus negócios com a tranquilidade de saber que estamos ao seu lado, prezando sempre por um trabalho sério e meticuloso.

Os processos contábeis de uma empresa, mesmo as empresas de pequeno porte, envolvem muitos detalhes que podem parecer confusos para alguém que não é da área. No entanto, o nosso trabalho é voltado exatamente para entender esses processos, estarmos constantemente atualizados e buscar as melhores soluções para nossos clientes.

 

Suporte qualificado e processos otimizados 

Na BRASCT disponibilizamos suporte qualificado. Nossa equipe está disponível sempre que necessário através do Whatsapp, e-mail ou telefone. Para que a comunicação entre os clientes e o escritório de contabilidade seja mas ágil, nossos processos são otimizados. Vale ressaltar que essa otimização inclui além dos procedimentos tributários e contábeis, os processos de recursos humanos.

 

Treinamento

Além desse suporte constante, oferecemos treinamentos para os gestores da sua empresa, o que aumenta a assertividade dos processos e a segurança de seu negócio. 

 

Young businesswoman at office Free Photo

Análise e recuperação tributária

O nosso escritório de contabilidade também fará uma análise tributária da sua empresa. A equipe da BRASCT é eficiente e se atualiza constantemente para garantir que, a partir das necessidades de seu empreendimento, vamos indicar o melhor regime de tributação em função do momento vivido pela empresa. Esse cuidado pode significar redução na carga tributária, o que consiste muitas vezes em uma economia expressiva.

O que muitos empreendedores não sabem, mas que também pode ser realizado com o auxílio de nosso escritório de contabilidade é a recuperação tributária. Recupere o valor total ou a maior parte dos impostos pagos de forma indevida nos últimos 5 anos.

Parametrização de sistemas

Através da parametrização de sistemas, o escritório de contabilidade consegue averiguar e corrigir configurações tributárias que estejam incorretas. Nós da BRASCT realizamos um trabalho atento e cauteloso nesse sentido, para garantir que sua empresa esteja em dia com a lei, evitando riscos e problemas no futuro.

 

Front view of smiley elegant businesswoman using laptop with copy space Free Photo

Consultoria empresarial

A equipe do nosso escritório de contabilidade também disponibiliza serviços de consultoria empresarial em diversas áreas. Podemos auxiliá-lo com:

  • Planejamento Tributário;
  • A implementação do ERP (sistema de gestão que integra diferentes operações no negócio em um único lugar, centralizando as informações);
  • Análise de processos de importação por outros Estados.
  • Ressarcimento de ICMS ST SP de acordo com a Portaria CAT 42/2018.
  • Ressarcimento de PIS e COFINS monofásico para empresas do Simples Nacional e Lucro Presumido.
  • Revisão e Parametrização de ERP: cadastro de itens, cfops, cst, alíquotas de impostos. Revisamos e parametrizamos.

BRASCT: Apoio constante de um escritório de contabilidade sério e eficaz

Procurar um escritório de contabilidade de sua confiança é izmportante em todos os processos da empresa. Existem alguns processos simples, como abrir um CNPJ; no caso do Microempreendedor Individual (MEI), por exemplo, a abertura do CNPJ é feita em questão de minutos. 

No entanto, para uma gestão eficaz, mesmo nos primeiros passos da constituição do negócio, é preciso uma análise minuciosa dos processos que serão desenvolvidos pela empresa.

Ter ao seu lado um escritório de contabilidade será de grande valia em vários momentos. Além de organizar os processos de gestão tributária, contábil e recursos humanos, a BRASCT estará sempre a disposição para auxiliá-lo, esclarecer dúvidas e averiguar as mudanças e atualizações nos procedimentos legislativos. 

Os clientes escolhem a BRASCT pois têm a tranquilidade de trabalhar com uma empresa séria, atualizada e empenhada. Buscamos a satisfação de nossos clientes e nos asseguramos de que os processos da empresa estejam sempre de acordo com a legislação, sem a necessidade de pagar mais que o devido. 

Esses são apenas alguns dos motivos que fazem com que a nossa assessoria seja fundamental e conquiste tantos clientes. Para saber mais sobre como podemos ajudar a você e ao seu negócio entre em contato conosco e fale com um de nossos especialistas. Estamos prontos para ajudá-lo.

Tributação para e-commerce: como funciona a contabilidade de uma loja virtual?

O cenário atual é muito positivo para as vendas on-line. Não só para as marcas que já
estão estabelecidas fisicamente, como para aquelas que irão começar do zero. O
comércio eletrônico cresce à cada ano e existem muitas vantagens em ganhar presença
no mundo virtual.


Uma análise do comércio eletrônico brasileiro verificou um recorde de faturamento dos
últimos 20 anos no primeiro semestre de 2020. O faturamento em vendas online no
primeiro semestre de 2019 foi de 26,4 bilhões, enquanto que no primeiro semestre de
2020 esse valor passou para 38,8 bilhões – um aumento de 47%. (42ª edição do
Webshoppers).


Além do crescente interesse do consumidor brasileiro pelas compras on-line, vender pela
internet também podem significar custos reduzidos; gasta-se menos em alugueis,
decoração da loja física, publicidade local e fachada. Além disso, muitos funcionários
podem trabalhar em home-office e/ou prestar atendimento à várias regiões do país.


Que tipo de empresa pode auxiliar na abertura de um e-commerce?

Geralmente, observa-se dois comportamentos no que diz respeito à tarefa de empreender
no mundo virtual. Alguns gestores de empresas físicas sentem-se inseguros em expandir
os negócios para um e-commerce; normalmente por não compreenderem quais são as
mudanças necessárias na contabilidade, nos processos internos e nas rotinas comerciais.


Ao mesmo tempo, outros empreendedores aventuram-se no mundo digital sem de fato
constituir empresa, apenas com o CPF; arriscando-se a perder a credibilidade dos
clientes ou, até mesmo, sofrer complicações legais e tributárias.


Existem escritórios de contabilidade especializados e com vasto conhecimento nas
questões financeiras, legais e tributárias das vendas pela internet. É o caso da Brasct
Contabilidade, uma empresa com 48 anos de mercado e especialista em pequenas e
médias empresas.


Como e por quê regularizar o meu e-commerce?


Para quem já possui uma loja física


Expandir o negócio para as vendas on-line pode ser muito interessante para quem já
possui um negócio físico; o mundo virtual possibilita ao comerciante atingir nichos
específicos, alargar o público-alvo e aumentar as possibilidades de fechamento de
negócios.


No que diz respeito às questões tributárias existem algumas diferenças; não são muitas,
mas precisam de atenção. Mais adiante nesse artigo vamos abordar as
particularidades da contabilidade de um e-commerce.

O mais indicado é fazer um planejamento financeiro e estratégico. O auxílio de um
escritório de contabilidade especializado é importante para garantir custos tributários
reduzidos e o cumprimento das legislações vigentes.


Para quem começa um negócio virtual do zero

Assim como uma loja física, ao começar um negócio virtual, o empreendedor deve fazer o
registro no CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica), na junta comercial e na
prefeitura da cidade.


Apesar de haver a possibilidade de realizar vendas utilizando apenas o CPF, esse não é o
método mais indicado. Existem três razões principais para regularizar um e-commerce:
a) transmitir credibilidade e segurança para o cliente;
b) emitir notas fiscais, que são uma garantia para o consumidor;
c) acesso à créditos com juros mais atrativos e maior facilidade na compra de
produtos no atacado.


É importante ressaltar que, ao fazer o cadastro no CNPJ, o empreendedor precisará
escolher o CNAE (Classificação Nacional de Atividades Econômicas). A assessoria de um
escritório de contabilidade é recomendável mesmo no início, pois a escolha do CNAE
interfere na tributação e na fiscalização das atividades da empresa.


Quais impostos devem ser pagos pela loja virtual ou e-commerce?


Fundamentalmente, os tributos a serem recolhidos por uma loja virtual são os mesmos de
um estabelecimento físico. No que diz respeito à tributação não existem mudanças muito
expressivas, portanto a carga tributária dependerá essencialmente das atividades
exercidas pela empresa, produtos e/ou serviços comercializados e o regime tributário.


No entanto, é necessário atenção especial à tributação do ICMS (Imposto sobre
Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços de Transporte Interestadual e
Intermunicipal e de Comunicação), uma vez que a grande maioria dos e-commerces e
lojas virtuais realizam vendas interestaduais.

Até 2018 o recolhimento do imposto era compartilhado entre o estado de origem e o
estado de destino das compras. No entanto, desde 2019, o imposto é recolhido apenas
pelo estado de destino. O valor da alíquota do ICMS varia de acordo com a categoria da
mercadoria ou serviço e o estado de origem e destino das transações, podendo ir de 7% a
35%.


Como funciona a contabilidade para um e-commerce ou um negócio virtual?

A lista de atribuições contábeis de um e-commerce é extensa; constituída por tarefas
essenciais para a saúde financeira do negócio, incluindo: elaborar o balanço patrimonial e
balancetes de verificação, definir e zelar pelo capital de giro, gerenciar o pró-labore dos
sócios, calcular e pagar os impostos devidos, entre muitas outras.


O que um escritório de contabilidade de confiança pode fazer pelo e-commerce?


O auxílio de um escritório de contabilidade bem preparado é indispensável para que o
gestor do e-commerce tenha tranquilidade e segurança para gerir o negócio e tomar
decisões bem fundamentadas.

Quando bem escolhido, o escritório de contabilidade é um dos principais aliados da
empresa, sendo responsável por:
a) controle, planejamento e gestão tributária;
b) registro das movimentações financeiras, emissão de livros e controle de
documentos contábeis;
c) controle da folha de pagamento;
d) consultoria empresarial para alterações contratuais, emissão de certidões
negativas, obrigações acessórias e outras;
e) consultoria estratégica e financeira;

O controle cuidadoso e a apuração precisa dos dados financeiros e contábeis possibilita
que o gestor tome decisões assertivas, sabendo com clareza qual é a situação financeira
da empresa e os recursos de que o negócio dispõe para novos investimentos.

QUER SABER MAIS? CLIQUE EM ALGUNS DOS NOSSOS CONTEÚDOS ABAIXO:



Contabilidade para autopeças e mecânica em São Paulo


Contabilidade para autopeças e mecânica em São Paulo





Como pagar menos impostos?


Como pagar menos impostos?





Como calcular os impostos de uma pequena empresa?


Como calcular os impostos de uma pequena empresa?



Como calcular os impostos de uma pequena empresa?

Você tem ou trabalha em uma pequena empresa e quer saber como calcular os impostos corretamente? Você sabia que ao apresentar o regime tributário mais adequado para o seu negócio, o escritório de contabilidade pode ajudá-lo a economizar dinheiro através de uma taxa reduzida de impostos?

É verdade que muitas empresas passam anos pagando tributos acima do necessário porque a escolha do regime tributário não foi feita adequadamente. Por esse motivo, o escritório de contabilidade deve estar sempre atendo às mudanças na legislação e também à situação financeira de seus clientes. 

A escolha do regime tributário depende não só do faturamento como do segmento no qual a empresa está enquadrada e as atividades exercidas. 

O escritório de contabilidade deve apresentar o melhor regime tributário para a sua empresa

O regime tributário irá definir quais impostos deverão ser pagos pela sua empresa, quando e em quais períodos. Existem três tipos de regimes tributários no Brasil: 

  • Simples Nacional
  • Lucro real
  • Lucro presumido

1. Simples Nacional

O Simples Nacional é o Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte. 

Trata-se de um regime tributário simplificado e também facultativo; ou seja, as microempresas e empresas de pequeno porte que cumpram os requisitos podem optar ou não por ele. O Simples é um sistema que apresenta alíquotas mais baixas em comparação aos outros regimes, além de uma agenda tributária mais simples e fácil de cumprir e controlar.

Por esses motivos, o Simples costuma ser um sistema vantajoso para microempresas e empresas de pequeno porte. No entanto, nem todas as empresas podem optar por esse regime de tributação. 

1.1 Restrições para adesão ao Simples Nacional

  • Para microempresas, o faturamento no ano/calendário anterior não pode exceder R$ 360.000,00;
  • Para pequenas empresas, o limite máximo de receita bruta anual é R$ 4.800.000,00 (conforme alteração de 2018);
  • Existe uma relação de atividades restritas, como instituições financeiras, sociedades de crédito, corretoras e seguradoras, ou fábricas de cigarros, por exemplo. A lista completa está prevista na Lei Complementar 123 e disponível no site da Receita Federal

1.2 Quais impostos devem ser pagos pelas empresas optantes do Simples Nacional

Ao optar pelo Simples, a empresa simplifica o pagamento de vários impostos devidos ao Município, ao Estado e à União. Vários impostos serão recolhidos através de uma única guia chamada de DAS (Documento de Arrecadação do Simples Nacional).

Os 8 tributos abrangidos pelo DAS são: 

  • IRPJ – Imposto sobre a Renda da Pessoa Jurídica
  • CSLL – Contribuição sobre o Lucro Líquido
  • PIS/PASEP – Programa de Integração Social e Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público
  • COFINS – Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social
  • IPI – Imposto sobre Produtos Industrializados
  • ICMS – Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços
  • ISS – Imposto Sobre Serviços
  • CPP – Contribuição Patronal Previdenciária

Além desses, existem ainda impostos que não são recolhidos por meio do DAS, mas precisam ser pagos, como:

  • impostos sobre importação e exportação; 
  • contribuição para o FGTS;  
  • Imposto de Renda relativo aos pagamentos ou créditos efetuados pela pessoa jurídica a pessoas físicas; 
  • PIS, COFINS e IPI incidentes na importação de bens e serviço; 
  • taxas de licenças; 
  • alvarás; dentre outros.

Além do pagamento dos tributos, existem ainda as chamadas obrigações acessórias, que consistem em declarações, guias e planilhas que devem ser emitidas e preenchidas periodicamente (anuais, trimestrais ou mensais).

1.3 Como calcular e pagar o DAS

O cálculo do valor dos tributos devidos é feito através de um sistema informatizado, disponível no Portal do Simples Nacional. As empresas aderentes devem, obrigatoriamente, utilizar esse Portal. 

1.4 Quando não optar pelo Simples Nacional

A principal desvantagem do Simples Nacional diz respeito ao faturamento anual x lucro. O Simples se baseia no faturamento anual ao invés do lucro real da empresa, portanto ao optar pelo Simples Nacional sua empresa pode estar recolher impostos mesmo tendo prejuízos.

2. Lucro presumido

O Lucro Presumido é um regime tributário simplificado para a apuração do Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ) e da Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido (CSLL) devidos pela pessoa jurídica.

Como o próprio nome já diz, a Receita Federal presume, a partir da atividade exercida pela empresa, que uma determinada percentagem do faturamento é o lucro; ou seja, para esse regime de tributação não são consideradas as despesas, apenas o faturamento. 

O cálculo do lucro presumido varia conforme a atividade da empresa. O percentual de faturamento que será tributado varia de 1,6% até 32%; sendo, por exemplo, de 8% para atividades que envolvam a indústria e comércio e de 32% nos casos de prestação de serviços.

2.1 Impostos de apuração mensal

  • Imposto Sobre Serviços (ISS): de 2,5 a 5% do preço cobrado pelo serviço, conforme a cidade e serviço prestado (o ISS deve ser pago individualmente, em cada serviço que é prestado).
  • Programa de Integração Social (PIS): 0,65% (incide sobre a receita bruta da empresa).
  • Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (COFINS): 3%. (incide sobre a receita bruta da empresa).

2.2 Impostos de apuração trimestral

  • IRPJ (Imposto de Renda): 15% sobre o percentual de presunção de lucro (calculado conforme atividade);
  • CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido): 9% sobre o percentual de presunção de lucro (calculado conforme atividade).

2.3 Restrições ao regime de Lucro Presumido

Algumas empresas não podem optar pelo Lucro Presumido e precisam se enquadrar no Lucro Real. É o caso das empresas que:

  • Atuam no mercado financeiro (como bancos, financeiras, factoring e corretoras);
  • Faturam mais de R$ 78.000.000,00 por ano;
  • Possuem algum tipo de benefício fiscal;
  • Tem capital oriundo do exterior.

3. Lucro Real

Para as empresas enquadradas no Lucro Real a tributação das alíquotas acontecerá somente após a apuração real do lucro e não sobre o faturamento. Por esse motivo, esse regime tributário exige um controle financeiro mais eficaz, que deve auferir todas as receitas e despesas.

De certa forma, apesar de mais burocrático, pode-se afirmar que o Lucro Real é mais justo, pois baseia-se nos resultados efetivamente ocorridos (balanço contábil). Entretanto, por comodidade, várias empresas optam pelo Lucro Presumido.

O Lucro Real pode ser interessante para as empresas que possuem muitas despesas. Portanto, cabe uma análise, pelo menos anual, verificando nos balancetes contábeis qual seria a tributação em cada um dos regimes. Mesmo as empresas optantes pelo Simples Nacional podem fazer esse comparativo anualmente, de forma a certificar-se de que estão a utilizar o melhor regime tributário.

3.1 Período de apuração do Lucro Real

O período de apuração pode ocorrer trimestralmente, encerrando-se em 31 de março, 30 de junho, 30 de setembro e 31 de dezembro de cada ano-calendário; ou pode ocorrer anualmente, encerrando-se em todo último dia do ano, 31 de dezembro.

3.2 Cálculo dos impostos no Lucro Real

Para cálculo do IRPJ a alíquota é de 15% para lucro de até R$20.000,00 mensais, e 25% nos casos em que o lucro for superior a esse valor no mesmo período. O CSLL é taxado em 9% em relação a qualquer lucro apurado durante o período.

A alíquota do PIS é de 1,65% e o Cofins de 7,6% da Receita. No entanto, é possível fazer deduções a partir dos pagamentos feitos a outras empresas. Essas deduções são conhecidas como PIS não cumulativo e COFINS não cumulativa e representam uma redução de impacto que tornam as tarifações inferiores aos números mencionados.

A Brasct é um escritório de contabilidade que publica conteúdos periodicamente. Acompanhe-nos para saber mais acerca dos regimes tributários e questões relacionadas à contabilidade e empreendedorismo. Além disso, estamos a disposição para esclarecer quaisquer outras dúvidas a respeito desses assuntos.

Lucro Real: o que é e como funciona?

A escolha do melhor ou do mais vantajoso regime tributário, quando não há uma exigência de enquadramento em um regime específico, é uma decisão que pode afetar profundamente as finanças de uma empresa, as suas margens de lucro, bem como o seu potencial de investimentos para o futuro.

Se você busca informações sobre o que é, como funciona e quais são os tipos de empresas que podem ser enquadradas no regime de tributação que é chamado de Lucro Real, neste artigo você encontrará tudo o que você precisa saber a respeito, para que tenha as primeiras impressões sobre se vale a pena adotar esse regime tributário em seu negócio.

Vamos então, a seguir, saber todo o necessário sobre o Lucro Real?

Regimes tributários no Brasil:

No Brasil, os sistemas utilizados para o recolhimento de impostos nas empresas, chamados também de Regimes Tributários ou Regimes de Tributação, são atualmente os seguintes:

  • Simples Nacional
  • Lucro Presumido
  • Lucro Arbitrado
  • Lucro Real

Para certos tipos de empresa, dependendo principalmente do seu volume de faturamento, é exigido o enquadramento em algum desses regimes, como é o caso do Lucro Real e veremos mais adiante. Já o restante, pode optar por um deles, de acordo com o que for mais vantajoso ou mais conveniente para a empresa.

Essa escolha deve ser feita ao início do ano fiscal e pode ser alterada a cada período. Tal escolha terá um impacto direto na saúde financeira do empreendimento e na complexidade das suas declarações. Como nem sempre é tão claro qual dos regimes é o mais vantajoso, é de suma importância contar com ajuda especializada nessa decisão.

O que é o Lucro Real?

O regime de Lucro Real é indicado, principalmente, para empresas que trabalham com pequenas margens de lucro e que possuam também um grande volume de despesas dedutíveis.

É comum pensar que, por ser um sistema de tributação mais complexo, exigido para os negócios que têm um alto volume de faturamento, haja uma maior incidência de impostos no Lucro Real, mas é necessário avaliar caso a caso, pois esse sistema pode ser o mais vantajoso em alguns cenários.

A tributação incidirá nos resultados reais da empresa, com a exata apuração das receitas, deduzindo delas as despesas ou custos, ou seja, os impostos incidirão apenas no que foi de fato o seu lucro real no período avaliado.

Esse sistema pode ser especialmente vantajoso para empresas com resultados dinâmicos ou imprecisos, por exemplo, aquelas onde há possibilidade de prejuízo, pois nesse caso ficarão desoneradas de impostos.

Para quem é o regime de Lucro Real?

O regime tributário do Lucro Real é obrigatório a todas as empresas que tenham um faturamento anual superior a 78 milhões de reais, além daquelas que se enquadram nas atividades descritas a seguir, entre outros:

  • Bancos comerciais, de investimentos ou desenvolvimento.
  • Sociedades de crédito, financiamento, investimentos e corretoras.
  • Empresas de seguros, títulos, valores, câmbio e previdência.
  • Que possuam faturamento do exterior.

Para os demais empreendimentos, o enquadramento no Lucro Real é facultativo. E como dissemos anteriormente, pode ser um regime tributário mais vantajoso para empresas que possuem:

  • Baixas margens de lucro.
  • Margens de lucro dinâmicas.
  • Volume de despesas dedutíveis.

Portanto, se a sua empresa se enquadra em alguma das obrigatoriedades, o enquadramento no Lucro Real é obrigatório.

Do contrário, se o faturamento de sua empresa for inferior a 78 milhões de reais anuais, e ela não desenvolva uma das atividades cujo enquadramento no Lucro Real seja obrigatório, estará elegível ao enquadramento facultativo neste regime.

Em ambos os casos, é fundamental a consulta à especialistas contábeis, tanto para avaliar se a sua empresa está obrigada à tributação pelo Lucro Real, quanto para diagnosticar se é realmente vantajosa a adesão ao sistema, se esta for mesmo apenas opcional.

A incidência de erros e a falta de clareza na apuração dos tributos pelo Lucro Real pode gerar multas que vão de 0,25% a 3% do lucro líquido, por isso, essa escolha não deve ser feita sem que haja um planejamento e uma estrutura de suporte.

As vantagens do Lucro Real:

Este regime de tributação será vantajoso apenas para algumas empresas, já que as opções de enquadramento existem justamente por não haver um regime que compense mais em todos os casos, de forma independente das características do negócio.

Ao contrário do Simples Nacional, o Lucro Real não tem o objetivo de simplificar a declaração, por isso, optar pelo Lucro Real é também aderir à necessidade de um controle financeiro mais rígido e especializado.

Algumas características distintas deste regime, que podem torna-lo mais vantajoso, são essas a seguir:

  • Tributos devidos de acordo com o faturamento.
  • Possibilidade de não contribuição em caso de prejuízo.
  • Apuração pode ser trimestral ou anual.
  • Compensação de prejuízos fiscais.
  • Aproveitamento de créditos de PIS e COFINS.

Vamos então ver, a seguir, quais são os cálculos e alíquotas que incidem nas declarações das empresas que estiverem enquadradas no Lucro Real.

Alíquotas e cálculos do Lucro Real:

Para empresas sob o regime de Lucro Real, há a incidência de impostos como o CSLL, o IRPJ, o PIS e o COFINS.

O Imposto de Renda de Pessoa Jurídica – IRPJ, e a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido – CSLL, são calculados a partir do lucro líquido obtido pela empresa no período.

A alíquota do IRPJ é de 15% para empresas com lucro líquido de até 20 mil reais. Para empresas com percentual maior de lucro, serão 15% sobre o lucro total, mais o adicional de 10% incidindo nos valores excedentes aos 20 mil. Para dar alguns exemplos de cálculo do IRPJ:

Se o lucro líquido de uma empresa foi de 10 mil reais mensais, ela deverá:

15% de 10.000 = 1.500

Já para outra empresa, que tem um lucro líquido de 50 mil mensais, o cálculo será o seguinte:

15% de 50.000 = 7.500

10% de 30.000 (valor excedente a 20 mil) = 3.000

Total = 7.500 + 3.000 = 10.500

Confira as alíquotas do Lucro Real:

  • IRPJ de 15% (para empresas que faturam até 20 mil mensais líquidos); ou
  • IRPJ de 15% + 10% sobre excedentes (para empresas que faturam acima de 20 mil líquidos mensais)
  • CSLL de 9% a 12%
  • PIS de 0,65% a 1,65% (dependendo da atividade).
  • COFINS de 3% a 7,6% (dependendo da atividade).

Contabilizando o Lucro Real:

Antes de optar pelo regime de tributação sobre o Lucro Real, é importante realizar simulações com as contribuições a serem devidas, bem como a possíveis variações relacionadas a outros períodos ou a cenários de incerteza nos lucros.

Os cálculos e a documentação exigidos para a declaração neste regime são complexos e demandam a contratação de pessoal especializado, já que a incidência de erros nesses cálculos acarretará pesadas multas, entre outras complicações.

É por isso mesmo que nem todas as empresas e serviços de Contabilidade trabalham com o Lucro Real, mas você poderá contar com os profissionais da Brasct Contabilidade para diagnosticar a situação tributária da sua empresa e providenciar todo o planejamento e execução das apurações e declarações.

Conte com a Brasct para contabilizar o seu Lucro Real!

Saiba os setores que não pararam durante a quarentena

‘Enquanto uns choram outros vendem lenços’, o ditado que já é conhecido também cabe ao mundo dos negócios durante a pandemia; brinquedos, aspirador em pó, quebra-cabeça e até pijamas ganharam espaço, enquanto turismo e comércio tiveram quedas bruscas.

 

São Paulo, maio de 2020 –  A  pandemia causada pelo Covid-19 prejudicou a economia mundial e muitas empresas, mas se para alguns setores exigiu a necessidade de se reinventar, para outros trouxe novas oportunidades e crescimento. Para se ter ideia, o e-commerce do Brasil cresceu 47%, de acordo com uma pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), em parceria com a Konduto. Outros setores como farmácias, serviços ligados a saúde, brinquedos, pijamas e ítens relacionados a home office também tiveram crescimento e até chegaram a abrir novas oportunidades de emprego, desde março de 2020 as áreas da saúde, supermercados, farmácia e logística tiveram mais vagas de emprego, segundo uma pesquisa realizada pela empresa Catho. 

 

De acordo com Ariane Marta, contadora e diretora da Brascont Contabilidade, os setores menos prejudicados durante a pandemia foram os essenciais, porque conseguiram continuar com sua rotina de trabalho. “Os segmentos ligados a saúde e alimentação foram os mais beneficiados com o aumento da demanda. Na sequência vem aqueles que já trabalhavam sem o atendimento presencial, como lojas virtuais, produtos digitais, tudo isso que já era digital ou restaurantes que já viviam de delivery tiveram crescimento. O consumo de quem está em casa com compras virtuais aumentou, pelo menos no começo do isolamento social”, acrescenta. 

 

A especialista também alerta sobre outros setores que vão precisar se reinventar e lutar para se recuperar. “Os mais atingidos são os que não estão conseguindo manter o funcionamento do comércio nesse período, como restaurantes que não trabalham com delivery, ou o comércio varejista, hotéis, turismo, eventos, entre outros negócios que ficaram totalmente parados. Uma das soluções para a recuperação é usar o máximo de financiamentos possíveis liberados pelo governo, como linha de crédito,  BNDES, adiar os impostos, renegociação, analisar e levar em conta as MP trabalhistas. Tudo isso deve ser levado em conta para aumentar a vida do caixa da empresa. Não é de uma hora para outra que os shoppings, bares e restaurantes vão abrir, isso não vai voltar tão cedo. Por isso as medidas relacionadas ao fluxo de caixa, controle financeiro, avaliação de crédito entre outras, devem ser levadas em consideração”, revela Ariane Marta. 

 

Abaixo, ela lista três setores que não pararam e ainda cresceram durante a pandemia. Confira: 

 

E-commerce: com o isolamento social cresceu a busca por produtos de forma online e o segmento virou uma opção para empreendedores se reinventarem na crise. “Os setores que já tinham seus negócios de forma online conseguiram manter e crescer suas vendas, agora quem ainda não estava nesse cenário pode encontrar uma oportunidade ao investir nesse tipo de vendas. Um dos segmentos prejudicados foi o varejo, mas temos a tecnologia ao nosso favor e já preparada para atender uma demanda online. Esse momento também vai abrir os olhos para novas oportunidades que alguns já vinham praticando”, exemplifica Ariane. 

 

O supermercado é o novo shopping:  mesmo com as opções de compra online muitas pessoas não têm acesso a essas tecnologias, ou sentem a necessidade de ir ao mercado como uma desculpa para sair um pouco de casa. “O setor está crescendo bastante nesse período, inclusive os mercados de bairro, mas assim como precisamos tomar cuidados em controlar a gestão financeira quando os negócios não vão bem, é necessário tomar uma série de cuidados com o crescimento, saber o preço de venda, produtos, controle de estoque. Sabemos que essa é uma fase que uma hora ou outra vai acabar, por isso é preciso aproveitar com sabedoria”, alerta a contadora. 

 

Farmácias e Serviços ligados a saúde: Como estão relacionadas ao setor essencial continuaram funcionando e ainda tiveram um crescimento em suas vendas. “Como as farmácias também passaram a vender máscaras, álcool em gel e também muitas pessoas passaram a comprar mais medicamentos para prevenção, foi um setor que não sentiu a crise. Os planos de saúde e setores médicos também sentiram a pandemia de forma positiva para os negócios”, finaliza Ariane Marta. 

 

Saiba como o Covid-19 impactou na gestão das pequenas e médias empresas

O Covid-19 chegou há pouco tempo no Brasil e, devido à sua alta porcentagem de contágio, foi iniciado um período de quarentena para que o país se recupere mais rápido. Contudo, a gente vê que a pandemia impactou bastante a gestão de pequenas e médias empresas. Saiba mais sobre o assunto aqui!

Coronavírus: um problema para pequenas e médias empresas

O impacto do novo Coronavírus no mercado já era esperado, e hoje as pequenas e médias empresas percebem o quanto estão sendo atingidas. Se por um lado entendemos a necessidade de isolamento para diminuir o contágio, por outro vemos, em números, o quanto a situação compromete as empresas de pequeno e médio porte.

Qual pode ser o impacto nessas empresas?

É difícil precisar com exatidão, porque as empresas são afetadas em maior ou menor grau. Sim, há empresas de funcionalidades essenciais à sociedade que continuam abertas, o que lhes dá algum faturamento. E há empresas que não podem ficar abertas porque não fornecem serviços essenciais.

De acordo com uma pesquisa feita pela revista Exame, a perspectiva é que 8 em cada 10 empresas sofrerão uma diminuição de faturamento de 30%, o que é uma perda potencial lastimável, não acha?

Por que as pequenas e médias empresas são as mais afetadas?

Não é certo dizer que o Covid-19 afeta a todas as empresas igualmente; as empresas de pequeno e médio porte são mais atingidas porque muitas vezes não têm estrutura para promover o trabalho home office e por que, para elas, a interferência no número de vendas é maior.

Além disso, há a questão da contabilidade das pequenas e médias empresas, que não está isenta de sofrer problemas em meio à crise. Podemos ajudar nisso, então solicite um contato.

WhatsApp contabilidade em são paulo

Outra coisa: as grandes empresas também vão sofrer com os efeitos do novo coronavírus, mas elas têm mais capacidade de resistência porque geralmente contam com recursos para se preparar para momentos assim. Ou seja, dificilmente uma grande empresa bem estruturada vai fechar as portas por conta da pandemia.

Qual é a dica para as pequenas e médias empresas resistirem?

A primeira recomendação para esse período é sair o menos possível de casa, com o objetivo de evitar a transmissão do Covid-19. Se todo mundo fizer isso, as empresas voltam a funcionar mais rápido.

A principal dica para se manter de pé em um momento tão difícil para negócios é focar no que pode ser feito para impedir o congestionamento das vendas. Para você ter uma ideia, muitas empresas estão se focando mais nos negócios on-line.

Restaurantes, por exemplo, podem explorar a opção de delivery, assim como comerciantes podem desenvolver sites para vender seus produtos e empresas em geral podem usar a internet como ferramenta de marketing.

Obviamente, não é toda pequena e média empresa que conseguirá se adaptar aos impactos do novo Coronavírus na economia, mas dá para tentar desenvolver uma estratégia que, se não for trazer muito lucro, ao menos evita grande prejuízo.

Procure pensar se a sua empresa pode usar dos meios virtuais e se atente ao que o governo pode oferecer. Em tempos de crise, é importante se reinventar para sobreviver em um mundo cada vez mais competitivo.

A melhor empresa de contabilidade para atender pequenos e médios negócios é aquela especializada nisso, como a nossa. Trabalhamos também virtualmente, então nos mande uma mensagem no WhatsApp se precisar de algum serviço de contabilidade.

FONTES:

https://rhpravoce.com.br/posts/o-impacto-do-coronavirus-nas-pequenas-e-medias-empresas

https://bizcapital.com.br/blog/covid-19-e-seus-impactos-as-ultimas-noticias-sobre-a-pandemia/

Como elaborar um plano de ação eficiente para a minha empresa durante a pandemia?

O mundo vive hoje um grave cenário sem precedentes devido à pandemia do novo coronavírus. Além das inúmeras vítimas e do colapso do sistema de saúde de vários países, a situação gera, também, impacto direto na economia global.

De acordo com o último relatório do SEBRAE, publicado no dia 3 de abril, os pequenos negócios têm sido os mais afetados, uma vez que os empresários declararam queda de 64% do faturamento.

Nesse cenário, é extremamente necessário elaborar um plano de ação eficiente para manter sua empresa durante a pandemia. Mas como fazê-lo?

Neste post, vamos dar algumas dicas. Confira!

1. Seja sincero com seus clientes

Seja transparente a respeito da situação da sua empresa. Os clientes tendem a simpatizar com marcas que enfrentam uma crise de forma clara e honesta. Informe os cuidados que sua empresa está tomando para reduzir os riscos e atitudes que está tomando para ajudar a comunidade, caso esteja fazendo algo.

Lembre-se de que seus consumidores também consomem outros diversos serviços, então repense a necessidade de enviar e-mails ou outra forma de contato para falar sobre a pandemia.

Entre em contato direto apenas se você tiver um motivo comercial essencial para fazê-lo. Como cancelamentos de eventos da empresa, informações sobre como comprar online ou como acessar os serviços remotamente.

Tenha uma resposta padrão, como, por exemplo: “Nosso posicionamento à pandemia de Covid-19” e deixe-a em um lugar visível e de fácil acesso no seu site.

2. Gerencie riscos contratuais

• Crie promoções, principalmente de produtos que podem não durar de três a seis meses no estoque;

• Na hora de criar promoções, coloque como exigência o pagamento por boleto, transferência, cartão de débito ou à vista no cartão de crédito;

• Reduza os pedidos de reposição de estoque, principalmente dos produtos que você acredita que estarão com baixa demanda durante a pandemia;

• Entre em contato com clientes inadimplentes e tente negociar o pagamento, mesmo que não seja da forma mais satisfatória para você. É importante manter o fluxo do caixa.

• Revise seus contratos de vendas para determinar sob quais circunstâncias os clientes podem cancelar pedidos. Se necessário, atualize esses contratos para limitar a capacidade dos clientes de cancelar pedidos.

3. Migre a maior parte da sua operação para o digital

Aumente sua presença digital. Aumente a capacidade de transações online e interações digitais. Inove maneiras de fornecer seu produto ou parte dele online. Se você tem um curso de idiomas, ofereça aulas online. Se tem uma academia, grave vídeos que seus alunos possam reproduzir em casa, etc.

No entanto, mesmo investindo em uma estratégia digital, lembre-se que algumas pessoas sempre vão preferir ouvir uma voz humana empática, especialmente agora. Logo, tenha funcionários de home office preparados para isso.

4. Adaptação/redução do quadro de funcionários

E agora chegamos ao tópico que todos evitam. Quanto tempo você pode manter sua equipe? É uma pergunta dura, mas estar no comando de uma empresa significa enfrentar coisas complicadas.

Se você não tem receita e não tem perspectiva de receita, precisa ser realista. Não importa o quanto você ame sua equipe.

Você pode começar vendo se seus funcionários concordam em trabalhar menos dias por semana e, assim, reajustarem seus salários para que todos mantenham seu emprego. Também é possível suspender o contrato de trabalho por até 60 dias.

Depois, infelizmente, precisará fazer cortes, caso o resultado ainda não se mantenha como o esperado. Mas não esqueça: se informe sempre com órgãos oficiais e com profissionais antes de tomar qualquer decisão desse tipo. Caso o contrário, você pode tentar resolver uma situação e entrar em um grande problema trabalhista.

Para mais informações, entre em contato por WhatsApp com um de nossos contadores:

WhatsApp contabilidade em são paulo

Descubra como preservar o fluxo de caixa da sua empresa durante o coronavírus

Em um momento tão deliciado como o desta pandemia, é necessário que os empresários preservem o fluxo de caixa de suas empresas a fim de fazer com que elas sobrevivam. Neste artigo, você descobre algumas maneiras eficientes de fazer isso. Acompanhe!

A hora de se planejar é agora

Crises acontecem e podem modificar todo um comportamento da sociedade e das empresas. Com o problema do novo coronavírus, foi diminuído drasticamente o fluxo de pessoas nas ruas. E, mesmo com a maior parte das lojas fechadas, ainda é possível lucrar ao mudar a perspectiva.

Alguns empresários, antevendo que a pandemia seria prejudicial aos negócios, pensaram em estratégias para preservar seu fluxo de caixa enquanto durar a crise do novo coronavírus. Se você não se planejou, ainda dá para fazer.

Em primeiro lugar, é preciso se planejar para a diminuição das vendas. Elas vão acontecer. No caso de serviços específicos, como de turismo, não haverá funcionamento de forma alguma, mas outros podem ser adaptados, como lojas físicas passando a vender produtos online.

Verifique o fluxo de caixa e veja o que pode ser cortado

Todo empresário precisa conhecer seu fluxo de caixa, e uma maneira eficiente de fazer isso é ao separar a planilha de gastos das despesas fixas e variáveis. É preciso conhecer os gastos fixos, como aluguel, e os gastos que mudam de acordo com as vendas.

A partir da verificação do fluxo de caixa, chega o momento de ver o que pode ser cortado ou diminuído. Em meio à pandemia, em muitos casos empresários estão conseguindo reajustes no aluguel de forma momentânea por exemplo.

No caso de serviços considerados dispensáveis neste momento, é possível trabalhar em home office. Essa é uma medida eficiente até para diminuir gastos como água e luz, além de não manter a empresa parada.

Ainda há a possibilidade de oferecer férias a alguns dos funcionários, caso não haja muito trabalho a ser realizado e eles estejam ociosos. Se não souber com quem contar, procure a opinião de especialistas em situações como a sua. Caso você seja dono de um médio negócio e precisa de serviço de contabilidade, conte com a gente, solicite um contato.

Pacote de apoio à empresa e renegociação de dívidas

O governo decidiu criar um pacote com várias medidas de apoio às empresas, como o adiamento do pagamento do FGTS durante três meses e o corte no recolhimento dos impostos do Simples Nacional.

Você também pode pedir para uma renegociação de dívidas, e isso deve ser avisado aos credores e fornecedores com o máximo de antecedência possível. Por isso, primeiramente é preciso conhecer o seu fluxo de caixa para saber mais ou menos de que tipo de renegociação será interessante a você.

Foque nas oportunidades

Nem toda empresa consegue encontrar oportunidades em uma situação difícil como a quarentena e o coronavírus. Mas é um prato cheio para quem trabalha com delivery e e-commerce, além de ser interessante para quem pode passar a fazer esse tipo de trabalho.

Caso seja necessário recorrer a um empréstimo, vá em frente, mas avalie antes se essa é a única e a melhor opção para a sobrevivência do seu negócio. Se for preciso, procure empréstimos com taxas menores.

Somos uma empresa de contabilidade que trabalha também digitalmente e é focada no auxílio de pequenas e médias empresas. Se é o seu caso, mande uma mensagem no nosso WhatsApp:

 

FONTES:

https://www.gazetadopovo.com.br/economia/oito-estrategias-para-ajudar-as-empresas-contra-a-crise-do-coronavirus/

https://revistapegn.globo.com/Administracao-de-empresas/noticia/2020/03/como-cuidar-das-financas-da-empresa-diante-do-coronavirus.html

https://sebraers.com.br/momento-da-empresa/fluxo-de-caixa-e-essencial-para-enfrentar-a-crise-do-coronavirus/