Principais processos financeiros de uma empresa

Estudos do SEBRAE indicam que não acompanhar corretamente a evolução das receitas e despesas está entre as causas de fechamento da maior parte das empresas no Brasil. Você sabe quais são os processos financeiros que o seu negócio deve manter? Caso não saiba ou não tenha certeza, não se preocupe: a seguir, vamos falar dos 10 principais processos financeiros de uma empresa.

Money Business GIF by JustStartInvesting

1. Contas a pagar e a receber

Esse é o processo que operacionaliza os pagamentos e recebimentos da empresa, sendo controlado pela tesouraria. As contas a receber vêm das vendas realizadas. Já as contas a pagar se relacionam a dívidas com fornecedores, impostos, custos de manutenção, salários dos funcionários, serviços terceirizados, entre outros.

Money Paying GIF by JustStartInvesting

2. Fluxo de caixa

É o controle sobre os processos de entrada e saída de dinheiro. A empresa não pode simplesmente pagar e receber as contas sem colocar tudo em um caderno, planilha ou software. É necessário pôr tudo “na ponta do lápis” para ter controle sobre as finanças. 

O fluxo de caixa é o que torna possível a tomada de decisões. Ao avaliar projeções, pagamentos e recebimentos, torna-se possível apreender as necessidade de captação e aplicação de recursos. Esse processo é essencial para gerenciar o saldo disponível e garantir o capital de giro.

Money Moneybag GIF by GMT

3. Captação de recursos

De modo geral, trata-se da captação de aportes para o caixa empresarial por meio de linhas de crédito. Mas além da possibilidade de recorrer a bancos e outras organizações financeiras, também é possível injetar capital a partir de sócios ou investidores. É um processo necessário em momentos de investimento ou de crise.

Money Save GIF by JustStartInvesting

4. Aplicação de recursos

Trata-se da realização de aplicações temporárias por meio das sobras de caixa. Geralmente são feitos investimentos em títulos de renda fixa, para que o dinheiro não fique parado e renda juros até o momento do resgate. São exemplos de investimento desse tipo as notas do tesouro nacional e as letras de câmbio.

Business Calculate GIF by JustStartInvesting

5. Faturamento

É a soma de todo o valor recebido pela empresa em determinado período. Como está relacionado ao controle das vendas, também passa pela emissão de Nota Fiscal, boletos e documentos de crédito. Isso porque são esses documentos fiscais que fazem o registro do faturamento. É importante para a definição de questões tributárias.

Time Work GIF by JustStartInvesting

6. Gestão de crédito e cobrança

Esse é um processo que tem duas funções: avaliar o acesso dos clientes ao crédito e fazer as cobranças dos valores não recebidos. Esses dois lados estão ligados porque conceder crédito sempre inclui o risco de inadimplência. Então, é preciso pensar em estratégias para diminuir essa ameaça e tornar as operações rentáveis o máximo possível.

High Five Processing GIF by blooom

7. Controle de estoque

Registra e fiscaliza a entrada e saída de produtos da empresa. A nível das mercadorias, é controlado pela logística. Mas do ponto de vista do controle dos valores que entram e saem, é atribuição da área financeira/contábil. Há dois tipos de controle: o permanente, que ocorre em tempo real, e o periódico, que serve para o balanço patrimonial.

Money Success GIF by JustStartInvesting

8. Gestão patrimonial

Atualiza o valor do patrimônio empresarial. Inclui a atualização da lista dos bens da empresa. Serve para avaliar o que está danificado, o que precisa ser comprado de novo, que tipo materiais de compra periódica precisam ser reabastecidos. É importante que esses gastos sejam bem registrados, para saber como impactam sobre a receita da empresa.

Money Save GIF by JustStartInvesting

9. Gestão orçamentária

Trata-se de uma projeção e avaliação de quais serão os custos e ganhos da empresa no próximo período. Busca ajustes de custos e despesas, garantindo a otimização do negócio. Através da lista de gastos e receitas previstos é possível estimar qual será a margem de lucro. Pode ser feito a cada mês, trimestre, semestre ou ano.

singularfact data visualization singular fact data dashboard GIF

10. Demonstração de resultados

O último dos 10 principais processos financeiros de uma empresa. Nele, cruza-se receitas, custos e resultados. Com isso, determina-se de forma transparente os ganhos líquidos da empresa. Não adianta prever como serão as finanças e controlá-las diariamente sem avaliar se deram os resultados esperados. 

É feito por meio da produção de um relatório que contém as demonstrações necessárias para que os gestores possam avaliar os próximos passos da empresa.

Conte com nossa ajuda nesses processos!

Ficou claro quais são os principais processos financeiros de uma empresa? A BRASCT é o escritório de contabilidade em São Paulo com a maior experiência e capacitação para ser parceiro da sua empresa na organização deles. 

Fazemos a gestão do setor financeiro de micro e pequenas empresas prestadoras de serviços. Nosso trabalho inclui a gestão de fluxo de caixa, gestão de contas a pagar/receber, relatórios de desempenho financeiro, além de conciliação financeira e bancária.

Também lançamos as contas da empresa para pagamento por meio do internet banking, bastando ao cliente aprovar o pagamento. Nosso usuário é exclusivo para lançamentos, não realizando outras transações.

Quer saber mais sobre o nosso trabalho? Entre em contato com a gente!

Controle de estoque: dicas para a gestão do seu e-commerce

Nos últimos 5 anos, o comércio on-line vem ultrapassando recordes de vendas; mas para que uma empresa seja bem sucedida no mundo digital é imprescindível fazer um controle de estoque eficiente e preciso. 

O bom gerenciamento de estoque de um e-commerce é fundamental para a satisfação dos clientes, uma vez que os produtos estão disponíveis para várias pessoas em todo o país e as vendas podem ser concretizadas a qualquer hora do dia ou da noite.

Drop shipping x Estoque regular

Regra geral, os e-commerces adotam dois tipos de estoque: Drop Shipping ou Estoque Regular. O Drop Shipping consiste em realizar as compras de acordo com a demanda; ou seja, o item é solicitado ao fornecedor depois que a compra é efetivada. Basicamente, a loja virtual não possui estoque próprio.

Já o Estoque Regular é o modelo tradicional, ou seja, a empresa adquire previamente os produtos que vão estar disponíveis na loja virtual. Para esse tipo de estoque, os desafios são os mesmos das lojas físicas: risco de perda, roubo, extravio, devoluções, espaço, conservação, limpeza, organização, etc.

Como minimizar os riscos

Existem formas de minimizar os riscos e assegurar o cumprimento de normas e processos. Nesse artigo fornecemos dicas essenciais para fazer o gerenciamento do estoque de um e-commerce e melhorar a gestão de seu negócio.

1 – Inventário de Estoque e Inventário Permanente

Apesar das nomenclaturas parecidas, esses termos possuem significados diferentes. De forma bem resumida, enquanto o primeiro consiste em uma lista de itens, o segundo é uma forma de controle do estoque; abaixo vamos explicar em detalhes.

O Inventário de Estoque consiste em uma lista completa de todos os produtos de seu estoque, devidamente identificados e classificados. Todos os itens da sua empresa podem e devem ser inventariados, desde as mercadorias que você vende até os itens de escritório. A periodicidade de realização do inventário pode ser diária, semanal, mensal, etc.

Porém, no caso de um e-commerce, o estoque das mercadorias da loja online funciona melhor se estiver constantemente atualizado. Portanto, o gerenciamento mais indicado é o que chamamos de Inventário Permanente e consiste em uma forma de controle imediata. Nesse modo de gestão, a cada operação realizada na loja virtual é feita a baixa nos itens do estoque. Isso evita, por exemplo, que dois clientes comprem o mesmo produto.

Em suma, o mais indicado para um e-commerce é fazer os dois: possuir um controle que atualiza imediatamente o estoque e realizar periodicamente o inventário de estoque presencial.

2 – Mapeamento do Fluxo

O mapeamento do fluxo de entrada e saída dos produtos fornece uma estimativa de quando será necessário repor o estoque e ajuda o gestor a desenvolver uma visão mais clara do negócio.

Por meio do mapeamento do fluxo é possível observar, por exemplo, quais produtos tem maior ou menor volume de vendas, de quanto em quanto tempo os itens devem ser repostos no estoque, os índices de devoluções por produto, etc.

É importante lembrar que, além da compra e venda de produtos, existem outras situações que afetam a entrada e saída, como devoluções, trocas ou produtos com defeitos. Ademais, é preciso observar a sazonalidade e as datas comemorativas, pois as vendas podem variar muito de acordo com a época do ano.

3 – Organização e padronização do estoque

Além da gestão e organização dos itens no ambiente online, é imprescindível organizar e padronizar os produtos no espaço físico em que estão armazenados. O melhor é definir quais serão os parâmetros para a separação dos itens, além de dividir e classificar as secções.

Uma boa ideia é atribuir códigos aos itens do estoque. O código pode ser gerado de acordo com a natureza do produto e o local onde ele está armazenado. 

Outra dica valiosa é fazer um mapa para identificação dos locais de armazenagem. Existem softwares de gestão que facilitam esses processos e são uma boa alternativa para reduzir o tempo gasto em controles manuais. 

4 – Estudo do perfil de compra

Para quem ainda está começando pode ser difícil decidir entre possuir uma grande variedade de produtos ou muitos unidades de um mesmo produto. Alguns especialistas sugerem que o mais indicado é começar com pouca variedade, pois assim você pode adquirir apenas os itens que tem mais procura e expandir sua atuação no mercado aos poucos.

Outra estratégia é realizar pesquisas. Existem ferramentas que fornecem estimativas do volume de buscas de um determinado produto na Internet. É possível recolher informações sobre a região, faixa etária, poder econômico, entre outras características do seu cliente em potencial.

Porém, se você tem um negócio funcionando, já possui acesso a grande parte das informações de que precisa. Por meio da gestão do estoque e do mapeamento do fluxo você pode traçar o perfil de compra do seu público consumidor. 

Faça uma análise detalhada e criteriosa do histórico de vendas e cruze essas informações com a situação do estoque ao longo da semana, mês ou ano. Essa é uma estratégia importante para planejar com mais assertividade os futuros lançamentos. 

5 – Auditorias

Fazer auditorias de todos os processos é fundamental para identificar e corrigir falhas. Uma dica valiosa é programar as datas dessas conferências e realizá-las sem pressa. Caso não seja possível conferir tudo que é realizado, selecione itens ou períodos aleatoriamente. Se for identificada uma falha, revise todo o processo no qual ela foi gerada.

É importante conferir os pedidos, o recebimento das mercadorias, as notas fiscais e o estoque; ou seja, além do inventário programado é preciso também auditar o processo de inventário.

6 – Fornecedores e parceiros de confiança

Escolha empresas, profissionais e fornecedores que mantêm os compromissos, cumprem prazos e entregam um serviço de qualidade. Esses fatores também são essenciais para que o abastecimento de seu estoque, a entrega dos produtos, emissão de notas fiscais e pedidos, dentre tantos outros processos importantes ocorram conforme o planejado.

Um escritório de contabilidade especializado, por exemplo, faz muito mais que a contabilidade de seu negócio. Além da contabilidade, a Brasct atua nas áreas de análise e recuperação tributária e consultoria empresarial. 


Controle de estoque: dicas para a gestão do seu e-commerce


Controle de estoque: dicas para a gestão do seu e-commerce





O Mercado de Autopeças: Como abrir uma loja com pouco dinheiro


O Mercado de Autopeças: Como abrir uma loja com pouco dinheiro





4 riscos de abrir uma empresa e como minimizá-los


4 riscos de abrir uma empresa e como minimizá-los



Saiba os setores que não pararam durante a quarentena

‘Enquanto uns choram outros vendem lenços’, o ditado que já é conhecido também cabe ao mundo dos negócios durante a pandemia; brinquedos, aspirador em pó, quebra-cabeça e até pijamas ganharam espaço, enquanto turismo e comércio tiveram quedas bruscas.

 

São Paulo, maio de 2020 –  A  pandemia causada pelo Covid-19 prejudicou a economia mundial e muitas empresas, mas se para alguns setores exigiu a necessidade de se reinventar, para outros trouxe novas oportunidades e crescimento. Para se ter ideia, o e-commerce do Brasil cresceu 47%, de acordo com uma pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), em parceria com a Konduto. Outros setores como farmácias, serviços ligados a saúde, brinquedos, pijamas e ítens relacionados a home office também tiveram crescimento e até chegaram a abrir novas oportunidades de emprego, desde março de 2020 as áreas da saúde, supermercados, farmácia e logística tiveram mais vagas de emprego, segundo uma pesquisa realizada pela empresa Catho. 

 

De acordo com Ariane Marta, contadora e diretora da Brascont Contabilidade, os setores menos prejudicados durante a pandemia foram os essenciais, porque conseguiram continuar com sua rotina de trabalho. “Os segmentos ligados a saúde e alimentação foram os mais beneficiados com o aumento da demanda. Na sequência vem aqueles que já trabalhavam sem o atendimento presencial, como lojas virtuais, produtos digitais, tudo isso que já era digital ou restaurantes que já viviam de delivery tiveram crescimento. O consumo de quem está em casa com compras virtuais aumentou, pelo menos no começo do isolamento social”, acrescenta. 

 

A especialista também alerta sobre outros setores que vão precisar se reinventar e lutar para se recuperar. “Os mais atingidos são os que não estão conseguindo manter o funcionamento do comércio nesse período, como restaurantes que não trabalham com delivery, ou o comércio varejista, hotéis, turismo, eventos, entre outros negócios que ficaram totalmente parados. Uma das soluções para a recuperação é usar o máximo de financiamentos possíveis liberados pelo governo, como linha de crédito,  BNDES, adiar os impostos, renegociação, analisar e levar em conta as MP trabalhistas. Tudo isso deve ser levado em conta para aumentar a vida do caixa da empresa. Não é de uma hora para outra que os shoppings, bares e restaurantes vão abrir, isso não vai voltar tão cedo. Por isso as medidas relacionadas ao fluxo de caixa, controle financeiro, avaliação de crédito entre outras, devem ser levadas em consideração”, revela Ariane Marta. 

 

Abaixo, ela lista três setores que não pararam e ainda cresceram durante a pandemia. Confira: 

 

E-commerce: com o isolamento social cresceu a busca por produtos de forma online e o segmento virou uma opção para empreendedores se reinventarem na crise. “Os setores que já tinham seus negócios de forma online conseguiram manter e crescer suas vendas, agora quem ainda não estava nesse cenário pode encontrar uma oportunidade ao investir nesse tipo de vendas. Um dos segmentos prejudicados foi o varejo, mas temos a tecnologia ao nosso favor e já preparada para atender uma demanda online. Esse momento também vai abrir os olhos para novas oportunidades que alguns já vinham praticando”, exemplifica Ariane. 

 

O supermercado é o novo shopping:  mesmo com as opções de compra online muitas pessoas não têm acesso a essas tecnologias, ou sentem a necessidade de ir ao mercado como uma desculpa para sair um pouco de casa. “O setor está crescendo bastante nesse período, inclusive os mercados de bairro, mas assim como precisamos tomar cuidados em controlar a gestão financeira quando os negócios não vão bem, é necessário tomar uma série de cuidados com o crescimento, saber o preço de venda, produtos, controle de estoque. Sabemos que essa é uma fase que uma hora ou outra vai acabar, por isso é preciso aproveitar com sabedoria”, alerta a contadora. 

 

Farmácias e Serviços ligados a saúde: Como estão relacionadas ao setor essencial continuaram funcionando e ainda tiveram um crescimento em suas vendas. “Como as farmácias também passaram a vender máscaras, álcool em gel e também muitas pessoas passaram a comprar mais medicamentos para prevenção, foi um setor que não sentiu a crise. Os planos de saúde e setores médicos também sentiram a pandemia de forma positiva para os negócios”, finaliza Ariane Marta. 

 

Saiba como o Covid-19 impactou na gestão das pequenas e médias empresas

O Covid-19 chegou há pouco tempo no Brasil e, devido à sua alta porcentagem de contágio, foi iniciado um período de quarentena para que o país se recupere mais rápido. Contudo, a gente vê que a pandemia impactou bastante a gestão de pequenas e médias empresas. Saiba mais sobre o assunto aqui!

Coronavírus: um problema para pequenas e médias empresas

O impacto do novo Coronavírus no mercado já era esperado, e hoje as pequenas e médias empresas percebem o quanto estão sendo atingidas. Se por um lado entendemos a necessidade de isolamento para diminuir o contágio, por outro vemos, em números, o quanto a situação compromete as empresas de pequeno e médio porte.

Qual pode ser o impacto nessas empresas?

É difícil precisar com exatidão, porque as empresas são afetadas em maior ou menor grau. Sim, há empresas de funcionalidades essenciais à sociedade que continuam abertas, o que lhes dá algum faturamento. E há empresas que não podem ficar abertas porque não fornecem serviços essenciais.

De acordo com uma pesquisa feita pela revista Exame, a perspectiva é que 8 em cada 10 empresas sofrerão uma diminuição de faturamento de 30%, o que é uma perda potencial lastimável, não acha?

Por que as pequenas e médias empresas são as mais afetadas?

Não é certo dizer que o Covid-19 afeta a todas as empresas igualmente; as empresas de pequeno e médio porte são mais atingidas porque muitas vezes não têm estrutura para promover o trabalho home office e por que, para elas, a interferência no número de vendas é maior.

Além disso, há a questão da contabilidade das pequenas e médias empresas, que não está isenta de sofrer problemas em meio à crise. Podemos ajudar nisso, então solicite um contato.

WhatsApp contabilidade em são paulo

Outra coisa: as grandes empresas também vão sofrer com os efeitos do novo coronavírus, mas elas têm mais capacidade de resistência porque geralmente contam com recursos para se preparar para momentos assim. Ou seja, dificilmente uma grande empresa bem estruturada vai fechar as portas por conta da pandemia.

Qual é a dica para as pequenas e médias empresas resistirem?

A primeira recomendação para esse período é sair o menos possível de casa, com o objetivo de evitar a transmissão do Covid-19. Se todo mundo fizer isso, as empresas voltam a funcionar mais rápido.

A principal dica para se manter de pé em um momento tão difícil para negócios é focar no que pode ser feito para impedir o congestionamento das vendas. Para você ter uma ideia, muitas empresas estão se focando mais nos negócios on-line.

Restaurantes, por exemplo, podem explorar a opção de delivery, assim como comerciantes podem desenvolver sites para vender seus produtos e empresas em geral podem usar a internet como ferramenta de marketing.

Obviamente, não é toda pequena e média empresa que conseguirá se adaptar aos impactos do novo Coronavírus na economia, mas dá para tentar desenvolver uma estratégia que, se não for trazer muito lucro, ao menos evita grande prejuízo.

Procure pensar se a sua empresa pode usar dos meios virtuais e se atente ao que o governo pode oferecer. Em tempos de crise, é importante se reinventar para sobreviver em um mundo cada vez mais competitivo.

A melhor empresa de contabilidade para atender pequenos e médios negócios é aquela especializada nisso, como a nossa. Trabalhamos também virtualmente, então nos mande uma mensagem no WhatsApp se precisar de algum serviço de contabilidade.

FONTES:

https://rhpravoce.com.br/posts/o-impacto-do-coronavirus-nas-pequenas-e-medias-empresas

https://bizcapital.com.br/blog/covid-19-e-seus-impactos-as-ultimas-noticias-sobre-a-pandemia/

Como elaborar um plano de ação eficiente para a minha empresa durante a pandemia?

O mundo vive hoje um grave cenário sem precedentes devido à pandemia do novo coronavírus. Além das inúmeras vítimas e do colapso do sistema de saúde de vários países, a situação gera, também, impacto direto na economia global.

De acordo com o último relatório do SEBRAE, publicado no dia 3 de abril, os pequenos negócios têm sido os mais afetados, uma vez que os empresários declararam queda de 64% do faturamento.

Nesse cenário, é extremamente necessário elaborar um plano de ação eficiente para manter sua empresa durante a pandemia. Mas como fazê-lo?

Neste post, vamos dar algumas dicas. Confira!

1. Seja sincero com seus clientes

Seja transparente a respeito da situação da sua empresa. Os clientes tendem a simpatizar com marcas que enfrentam uma crise de forma clara e honesta. Informe os cuidados que sua empresa está tomando para reduzir os riscos e atitudes que está tomando para ajudar a comunidade, caso esteja fazendo algo.

Lembre-se de que seus consumidores também consomem outros diversos serviços, então repense a necessidade de enviar e-mails ou outra forma de contato para falar sobre a pandemia.

Entre em contato direto apenas se você tiver um motivo comercial essencial para fazê-lo. Como cancelamentos de eventos da empresa, informações sobre como comprar online ou como acessar os serviços remotamente.

Tenha uma resposta padrão, como, por exemplo: “Nosso posicionamento à pandemia de Covid-19” e deixe-a em um lugar visível e de fácil acesso no seu site.

2. Gerencie riscos contratuais

• Crie promoções, principalmente de produtos que podem não durar de três a seis meses no estoque;

• Na hora de criar promoções, coloque como exigência o pagamento por boleto, transferência, cartão de débito ou à vista no cartão de crédito;

• Reduza os pedidos de reposição de estoque, principalmente dos produtos que você acredita que estarão com baixa demanda durante a pandemia;

• Entre em contato com clientes inadimplentes e tente negociar o pagamento, mesmo que não seja da forma mais satisfatória para você. É importante manter o fluxo do caixa.

• Revise seus contratos de vendas para determinar sob quais circunstâncias os clientes podem cancelar pedidos. Se necessário, atualize esses contratos para limitar a capacidade dos clientes de cancelar pedidos.

3. Migre a maior parte da sua operação para o digital

Aumente sua presença digital. Aumente a capacidade de transações online e interações digitais. Inove maneiras de fornecer seu produto ou parte dele online. Se você tem um curso de idiomas, ofereça aulas online. Se tem uma academia, grave vídeos que seus alunos possam reproduzir em casa, etc.

No entanto, mesmo investindo em uma estratégia digital, lembre-se que algumas pessoas sempre vão preferir ouvir uma voz humana empática, especialmente agora. Logo, tenha funcionários de home office preparados para isso.

4. Adaptação/redução do quadro de funcionários

E agora chegamos ao tópico que todos evitam. Quanto tempo você pode manter sua equipe? É uma pergunta dura, mas estar no comando de uma empresa significa enfrentar coisas complicadas.

Se você não tem receita e não tem perspectiva de receita, precisa ser realista. Não importa o quanto você ame sua equipe.

Você pode começar vendo se seus funcionários concordam em trabalhar menos dias por semana e, assim, reajustarem seus salários para que todos mantenham seu emprego. Também é possível suspender o contrato de trabalho por até 60 dias.

Depois, infelizmente, precisará fazer cortes, caso o resultado ainda não se mantenha como o esperado. Mas não esqueça: se informe sempre com órgãos oficiais e com profissionais antes de tomar qualquer decisão desse tipo. Caso o contrário, você pode tentar resolver uma situação e entrar em um grande problema trabalhista.

Para mais informações, entre em contato por WhatsApp com um de nossos contadores:

WhatsApp contabilidade em são paulo

Descubra como preservar o fluxo de caixa da sua empresa durante o coronavírus

Em um momento tão deliciado como o desta pandemia, é necessário que os empresários preservem o fluxo de caixa de suas empresas a fim de fazer com que elas sobrevivam. Neste artigo, você descobre algumas maneiras eficientes de fazer isso. Acompanhe!

A hora de se planejar é agora

Crises acontecem e podem modificar todo um comportamento da sociedade e das empresas. Com o problema do novo coronavírus, foi diminuído drasticamente o fluxo de pessoas nas ruas. E, mesmo com a maior parte das lojas fechadas, ainda é possível lucrar ao mudar a perspectiva.

Alguns empresários, antevendo que a pandemia seria prejudicial aos negócios, pensaram em estratégias para preservar seu fluxo de caixa enquanto durar a crise do novo coronavírus. Se você não se planejou, ainda dá para fazer.

Em primeiro lugar, é preciso se planejar para a diminuição das vendas. Elas vão acontecer. No caso de serviços específicos, como de turismo, não haverá funcionamento de forma alguma, mas outros podem ser adaptados, como lojas físicas passando a vender produtos online.

Verifique o fluxo de caixa e veja o que pode ser cortado

Todo empresário precisa conhecer seu fluxo de caixa, e uma maneira eficiente de fazer isso é ao separar a planilha de gastos das despesas fixas e variáveis. É preciso conhecer os gastos fixos, como aluguel, e os gastos que mudam de acordo com as vendas.

A partir da verificação do fluxo de caixa, chega o momento de ver o que pode ser cortado ou diminuído. Em meio à pandemia, em muitos casos empresários estão conseguindo reajustes no aluguel de forma momentânea por exemplo.

No caso de serviços considerados dispensáveis neste momento, é possível trabalhar em home office. Essa é uma medida eficiente até para diminuir gastos como água e luz, além de não manter a empresa parada.

Ainda há a possibilidade de oferecer férias a alguns dos funcionários, caso não haja muito trabalho a ser realizado e eles estejam ociosos. Se não souber com quem contar, procure a opinião de especialistas em situações como a sua. Caso você seja dono de um médio negócio e precisa de serviço de contabilidade, conte com a gente, solicite um contato.

Pacote de apoio à empresa e renegociação de dívidas

O governo decidiu criar um pacote com várias medidas de apoio às empresas, como o adiamento do pagamento do FGTS durante três meses e o corte no recolhimento dos impostos do Simples Nacional.

Você também pode pedir para uma renegociação de dívidas, e isso deve ser avisado aos credores e fornecedores com o máximo de antecedência possível. Por isso, primeiramente é preciso conhecer o seu fluxo de caixa para saber mais ou menos de que tipo de renegociação será interessante a você.

Foque nas oportunidades

Nem toda empresa consegue encontrar oportunidades em uma situação difícil como a quarentena e o coronavírus. Mas é um prato cheio para quem trabalha com delivery e e-commerce, além de ser interessante para quem pode passar a fazer esse tipo de trabalho.

Caso seja necessário recorrer a um empréstimo, vá em frente, mas avalie antes se essa é a única e a melhor opção para a sobrevivência do seu negócio. Se for preciso, procure empréstimos com taxas menores.

Somos uma empresa de contabilidade que trabalha também digitalmente e é focada no auxílio de pequenas e médias empresas. Se é o seu caso, mande uma mensagem no nosso WhatsApp:

 

FONTES:

https://www.gazetadopovo.com.br/economia/oito-estrategias-para-ajudar-as-empresas-contra-a-crise-do-coronavirus/

https://revistapegn.globo.com/Administracao-de-empresas/noticia/2020/03/como-cuidar-das-financas-da-empresa-diante-do-coronavirus.html

https://sebraers.com.br/momento-da-empresa/fluxo-de-caixa-e-essencial-para-enfrentar-a-crise-do-coronavirus/

8 dicas para manter as finanças de uma pequena empresa sempre em dia

Gerenciar uma pequena empresa é um grande desafio, especialmente quando o assunto é: MANTER AS FINANÇAS SEMPRE EM DIA!

Dizem que no Brasil o ano só começa após o Carnaval. Pois bem, o Carnaval já passou, o novo já está em curso e nós já estamos finalizando o 1º trimestre de 2017. O tempo passa rápido meu caro empreendedor! Por isso, resolvemos dar a você, que é um pequeno empresário e enfrenta todos os dias o desafio de gerir uma pequena empresa, 8 dicas que irão ajudá-lo a manter as finanças do seu negócio em “excelente forma”.

Vamos tomar apenas 4 minutos do seu tempo, mas que valerão muito à pena se você seguir essas dicas. Boa leitura!

  1. Faça um planejamento financeiro realista

Se você abriu sua empresa em 2016 ou este foi o ano em que você finalmente começou a expandir seus negócios, talvez você ainda não tenha um planejamento financeiro detalhado e bem ajustado às suas reais necessidades do negócio. Porém, uma vez que você já tem uma ideia da média mensal de suas contas a pagar e contas a receber, você já pode criar uma projeção orçamentária realista para definir um planejamento financeiro bem ajustado às suas necessidades do novo ano calendário. Se você já tem um planejamento financeiro configurado para este ano, não se esqueça de sempre revisá-lo, e se for necessário ajustes, faça-o sempre que possível, para que você esteja sempre ciente do real estado da saúde financeira do negócio.

  1. Saiba lidar com um fluxo de caixa negativo

Um fluxo de caixa negativo pode gerar sérios problemas para uma pequena empresa. Sendo assim, você precisa colocar como prioridade zero neste novo ano mudar este cenário e reverter esta situação.

Acabar com a inadimplência pode ser o primeiro passo para manter o coração de sua pequena empresa (seu financeiro) sempre com batimentos bem compassados e firmes. Para fazer isso, chame seus clientes para um bate-papo amigável, negocie prazos de pagamento mais adequados, considere talvez abrir mão de juros e multas sobre as parcelas vencidas e dê a oportunidade ao seu cliente de se tornar adimplente novamente. Mostre aos seus clientes que vocês são parceiros e estão no “mesmo barco”. Você vai ver que isso pode fazer uma grande diferença para tornar o seu fluxo de caixa positivo novamente.

  1. Invista em um bom sistema de gestão

Existe uma variedade muito grande de sistemas de gestão para pequenas empresas disponíveis no mercado. Isto significa que nunca foi tão fácil manter suas finanças organizadas e em dia. Um sistema de gestão adequado ao seu tipo de negócio irá facilitar seu controle sobre suas despesas e recebimentos, lhe trará ciência sobre a situação de adimplência de seus clientes. Isso, com certeza, lhe trará uma visão holística das finanças de sua empresa.

Opte por sistemas online, para que você tenha acesso aos dados de gestão de sua empresa de onde você estiver.

  1. Cuidado com seus limites de crédito

Muitas empresas de pequeno porte utilizam cartão de crédito e possuem linhas de financiamento junto às instituições financeiras, e muitas vezes se valem desses recursos para “equilibrar” o fluxo de caixa. Se este for o seu caso, é importante que você nunca exceda seus limites, pois isso pode ter um efeito negativo sobre seu “score” (pontuação de crédito) junto às estas instituições e pode prejudicar suas chances futuras de obter outros tipos de financiamento empresarial, como um empréstimo para custear uma inovação ou ampliação de sua estrutura, por exemplo.

Controlar seus gastos é muito importante, pois, se regularmente você ultrapassar seus limites de crédito, mesmo que você consiga regularizar sua situação, as instituições financeiras entenderão que você está com dificuldades em seu fluxo de caixa e dificultarão a cessão de novos créditos quando necessário.

Em um mundo ideal, o negócio teria sempre que ter reservas de recursos financeiros aplicados para momentos de dificuldade. Naturalmente, esta não é a realidade de 99% das pequenas empresas no Brasil e os custos inesperados estão a todo o momento adulterando o planejamento financeiro.  Por isso, é muito importante manter uma “bandeira verde” para suas linhas de crédito em momentos de dificuldades ou expansão.

  1. Tenha um planejamento tributário

Na mesma linha, é muito importante que você tenha em seu planejamento financeiro a inclusão de seus impostos a pagar. O planejamento tributário irá definir o melhor regime de apuração, quais os tipos e quando você devera recolher estes impostos de acordo com a sua atividade. Para que seu orçamento seja preciso, você precisa ter ciência da situação fiscal de sua empresa. Portanto, é muito prudente e sábio ter um planejamento tributário bem estruturado para que sua empresa esteja sempre em dia com o fisco e evite a descapitalização desnecessária com multas e autuações.

  1. Pare de misturar despesas pessoais e empresariais

Uma das melhores estratégias de gestão financeira para uma pequena empresa é nunca se misturar as despesas pessoais dos sócios com as despesas da empresa. Isso traz um nível de organização e um controle exato da situação da empresa, e mais, contabilmente aumenta a credibilidade da empresa junto a possíveis credores e investidores.

  1. Mantenha uma organização dos arquivos financeiros

Existem muitas razões para se manter, de forma rigorosa, a organização dos arquivos financeiros de uma pequena empresa. Porém, a razão mais importante é que ao se manter uma organização e atualização de todas as contas de gerenciamento do negócio em dia, você terá uma visão clara de onde você realmente está, o que pode ajudá-lo, por exemplo, a obter um financiamento empresarial rapidamente, se você precisar.

Embora muitas empresas esperem o final do ano calendário para organizar seus arquivos financeiros, se você criar uma rotina de organização mensal ou pelo menos bimestral, você terá sempre uma visão realista da saúde financeira do negócio e demonstrativos contábeis/financeiros precisos e atualizados, caso precise apresentá-los a um investidor ou credor.

  1. Contrate uma Assessoria Contábil  

Desde os dias do ábaco, contadores são considerados profissionais confiáveis e são respeitados e tratados como os melhores aliados dos proprietários de pequenas empresas bem-sucedidas em todos os lugares do mundo. O profundo conhecimento da profissão, bem como das leis tributárias vigentes no país por parte destes profissionais, sempre ajudarão as empresas a economizarem em vários aspectos financeiros, e isto é uma realidade irrefutável.

Sabemos o quão tentador pode ser para um empreendedor ser o “salvador da pátria” e querer executar todas as tarefas de sua empresa sozinho, bem como, resolver todos os seus problemas corporativos. Porém, quase sempre isto é um verdadeiro desastre para o negócio. É preciso contar com o auxílio de especialistas em cada área, principalmente em se tratando de contabilidade e finanças.

O contador será o responsável por confeccionar, através da análise de dados, o planejamento tributário citado na dica 5 deste post, o que o ajudará a economizar em impostos e o manterá livre da mira do Fisco. Ele também será o responsável por cobrá-lo de manter uma organização das contas de gerenciamento financeiro para que suas demonstrações contábeis estejam sempre atualizadas, o que fará com que você esteja sempre muito bem informado sobre a saúde financeira do negócio durante todo o ano.

Para que as finanças de sua pequena empresa estejam sempre em dia, necessariamente você precisa contar com o apoio de um contador.

Conclusão

Embora ser dono de próprio negócio e poder gerenciá-lo da forma que melhor lhe convir possa lhe parecer ser “um sonho de liberdade emocionante”, também pode se tornar uma “nevralgia crônica”, especialmente quando se trata do gerenciamento financeiro de modo a tornar o negócio rentável e lucrativo.

Por isso, não deixe seu negócio sofrer devido à má gestão das finanças. Mantenha as dicas acima sempre em mente, procure segui-las com regularidade e garanta a sua empresa um futuro brilhante.

Conte sempre com um contador!

Até a próxima!