É possível abrir uma empresa sem largar o emprego?

Neste momento de crise pelo qual o país passa, a renda familiar de muitos brasileiros está bastante apertada. Mesmo algumas pessoas que trabalham com carteira assinada precisam fazer trabalhos extras para complementar a renda ocasionalmente.

Outras vezes, um profissional que trabalha no regime CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas) tem o sonho de abrir empresa para si, mas não tem como fazer isso de uma hora para a outra, tendo que permanecer no emprego até consolidar seu empreendimento.

Como essas, são várias as situações que podem levar alguém que trabalha com carteira assinada a ficar em dúvida sobre o que precisa para abrir empresa. Será que é permitido? Não gera nenhum problema para o profissional? Vamos descobrir a seguir. Acompanhe:

O que a empresa contratante diz sobre isso?

A primeira questão que o profissional precisa saber é a se a empresa na qual ele trabalha tem alguma regra que proíba os funcionários de abrir empresa. Em alguns casos, pode ser que a proibição seja apenas para a abertura de empreendimentos na mesma área em que a empresa atua, podendo haver uma flexibilização sobre a abertura de empresa de outro tipo.

De todo modo, mesmo que não haja proibição para abrir um negócio na mesma área da empresa em que o profissional trabalha, ainda assim, fazer isso pode não ser uma boa ideia. É que, nesse caso, a empresa passa a ter direito de demiti-lo por justa causa.

A questão está prevista no artigo 482 da CLT, caracterizando a possibilidade de demissão por justa causa devido à concorrência do novo empreendimento.

De qualquer forma, antes de mais nada, é necessário ler o contrato de trabalho para saber se alguma cláusula fala sobre essas questões. Caso contrário, podemos observar se existem ou não impedimentos na legislação brasileira. É o que faremos a partir da próxima seção.

É possível abrir um negócio como MEI?

Sim. Quem trabalha no regime CLT também pode ter um negócio como MEI (Microempreendedor Individual). Não existe nenhum tipo de legislação no país que impeça isso. O regime MEI é voltado para quem fatura até 81 mil reais por ano e tem no máximo um funcionário.

Mas cabe um detalhe: o MEI não pode ser titular, sócio ou administrador de outra empresa. Portanto, se o profissional atuar como administrador não sócio de uma empresa, nesse caso, ele não pode ser MEI. 

Quando uma pessoa trabalha como CLT e MEI ao mesmo tempo, ela contribui para a previdência social duas vezes. A primeira através do recolhimento do INSS sobre o salário, sob responsabilidade do empregador.

A segunda através da guia do DAS (Documento de Arrecadação do Simples Nacional), que o MEI deve quitar mensalmente. Nesse caso, as duas contribuições são somadas para cálculo da aposentadoria e dos demais benefícios.

Como ficam os direitos trabalhistas?

O empregado continua tendo direito ao Abono Salarial e ao FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço). Mas no caso do Abono Salarial, para ter direito a ele também é necessário cumprir outras exigências:

  • Ser cadastrado no Programa de Integração Social (PIS) há pelo menos cinco anos.
  • Ter o nome informado pelo empregador na Relação Anual de Informações Sociais (RAIS).
  • Ter trabalhado por pelo menos 30 dias no ano.
  • Ter remuneração média de até dois salários mínimos.

No entanto, há um ponto negativo. O trabalhador que também atua como MEI perde o direito ao seguro-desemprego. É que esse benefício é voltado para funcionários demitidos sem justa causa que não tenham outa fonte de renda.

Entretanto, existe a possibilidade de comprovar que a renda proveniente do MEI não é suficiente para o sustento da família. Para isso, é preciso apresentar documentos como a Declaração Anual Simplificada para o Microempreendedor Individual (DASN-SIMEI). Se isso ficar comprovado, o profissional pode voltar a ter direito ao benefício.

E quanto aos demais tipos de empresa?

Também pode. A CLT não diz nada sobre uma pessoa com carteira assinada ficar impossibilitada de ter uma empresa em seu nome. Portanto, além do MEI, o profissional pode ser titular ou sócio de qualquer um dos tipos de empresa:

  • Empreendedor Individual (EI)
  • Empresa Individual de Responsabilidade Limitada (EIRELI)
  • Sociedade por Cotas de Responsabilidade Limitada (LTDA)
  • Sociedade Limitada Unipessoal (SLU)
  • Sociedade Anônima (SA)

Em relação aos direitos trabalhistas, vale o mesmo que foi explicado para o MEI. Porém, no caso desses outros tipos de empresa, o faturamento costuma ser maior, o que faz com que possivelmente a renda proveniente da empresa seja superior ao salário. Nesse caso, o profissional perde o direito ao seguro-desemprego sem a possibilidade de recorrer.

Em relação ao INSS, os sócios que trabalham na empresa recolhem INSS sobre o pró-labore. Nesse caso, essa contribuição se junta à efetuada sobre o salário recebido onde o profissional tem a carteira assinada para cálculo de aposentadoria e outros benefícios.

É igual para os servidores públicos?

Quem trabalha como servidor público para a União não pode abrir empresa. É o que define a lei 8.112/90, que dispõe sobre o regime jurídico dessa categoria. Mas isso não se aplica a Empresas de Economia Mista. 

Já para servidores estaduais e municipais, não existe uma regra geral. Por isso, é preciso se informar sobre a existência ou não dessa proibição na legislação de cada município ou estado.

Precisa de ajuda para formalizar o seu negócio?

Quem trabalha com carteira assinada e está tentando descobrir como abrir empresa pode ter pouco tempo para cuidar da burocracia necessária. Se esse for o seu caso, você pode sempre contar com os serviços de nosso escritório de contabilidade. A Brasct pode te ajudar em tudo o que precisa para abrir empresa sem prejudicar sua dedicação ao emprego que já possui.

4 riscos de abrir uma empresa e como minimizá-los

A maioria das pessoas vivencia dois sentimentos distintos ao abrir empresa: a empolgação e
excitação, aquele famoso “frio na barriga” de começar algo novo; e, ao mesmo tempo, a
insegurança e o receio de errar ou de não realizar todos os processos e requisitos necessários
corretamente, sejam eles financeiros, legais ou estratégicos.


É verdade que existem muitas questões que podem trazer insegurança e preocupação para os
novos e futuros empreendedores; mas, para minimizar os riscos, a melhor opção é conhecê-
los, aprender estratégias e, principalmente, escolher profissionais competentes que possam
ajudá-lo durante o caminho.


Existem empresas especializadas na abertura de negócios. É o caso, por exemplo, de bons
escritórios de contabilidade, que auxiliam nos processos tributáveis e financeiros e fornecem
apoio jurídico. O aconselhamento profissional pode evitar tributação excessiva e
desnecessária, além de multas e notificações.
Neste artigo vamos articular acerca dos 4 principais riscos de abrir uma empresa e como
reduzí-los.


Análise de mercado: produtos, público-alvo e concorrentes


Antes de mais nada, é preciso ter uma visão clara do negócio, definindo muito bem quais são
os produtos e/ou serviços ofertados e suas características. Dado isso, é recomendado delimitar
bem o perfil do consumidor, também chamado de público-alvo.


Outro fator importante é saber quem são as pessoas e profissionais importantes para o bom
funcionamento da empresa; ou seja, quem são os principais fornecedores, prestadores de
serviços, parceiros, etc.


É fundamental conhecer os concorrentes, entender como eles se posicionam no mercado,
quais são os preços praticados e qual é o diferencial da empresa. Além de pesquisar os valores
praticados por outras empresas do mesmo segmento, é importante conhecer os preços e
produtos dos fornecedores relacionados ao negócio.


Essa é a trajetória inicial para reconhecer as oportunidades e ameaças do empreendimento.
Ao conhecer o mercado fica muito mais fácil prever quais são os riscos relacionados àquele
negócio específico (dificuldade de aceitação do produto, matéria-prima cara ou de difícil
acesso, muitos concorrentes, etc) e como é possível minimizá-los.


Sócios ou investidores: aspectos a considerar


Ao começar um negócio, o empreendedor precisa estar disposto a lidar com muitas pessoas,
desde fornecedores e funcionários a sócios e investidores. É preciso avaliar muito bem o perfil
dessas pessoas e escolher com cautela quem você quer ao seu lado nessa trajetória.


Escolher muito bem os sócios minimiza os riscos de ocorrerem conflitos internos na empresa e
desavenças na tomada de decisões. Portanto, é fundamental que os objetivos de cada um e da
empresa estejam claros, seja a curto, médio ou longo prazo.


Além disso, é natural que busquemos alguém próximo para a sociedade, como um amigo ou
familiar, mas é interessante que o sócio agregue à empresa possibilidades complementares à
sua, ou seja, que ofereça algum diferencial em relação ao que você já pode oferecer.

Ademais, para aumentar as chances de sucesso, é fundamental cercar-se de pessoas da sua
confiança. É uma boa ideia contar desde o início com o auxílio de parceiros que facilitam o
trabalho, como assessorias, empresas de marketing e um bom escritório de contabilidade.


Planejamento financeiro: gastos que os empreendedores inexperientes esquecem de
calcular

Muitos empreendedores não fazem o planejamento financeiro adequado ao começar um
negócio, pois não consideram todos os custos que envolvem a abertura de uma empresa. Por
exemplo, a maioria calcula os custos básicos de implementação, como o investimento inicial
em matéria-prima, mão de obra necessária ou o aluguel do espaço, mas esquecem de várias
outras despesas relacionadas.


Existem custos que, apensar de não parecerem significativos, impactam muito os primeiros
meses da empresa; é o caso, por exemplo, das inscrições, licenças e alvarás. Além do registro
no CNPJ, Inscrição Estadual e Alvará de funcionamento, alguns segmentos precisam de licença
ambiental, licença sanitária, registro de produtos químicos controlados, entre outros.


O escritório de contabilidade contratado deve fornecer a indicação de todas as licenças,
inscrições e documentos necessários, além de informá-lo acerca das taxas e prazos para
pagamento.


Outros gastos que costumam ser desconsiderados pelos novos empreendedores são as
despesas com imprevistos. Por exemplo, se a empresa funcionar em uma loja física, o local
pode precisar de uma reforma. Já em um e-commerce, pode ser necessário pagar a mais pelo
sistema, criação de aplicativos ou melhorias no site.


Escolha do CNAE e do Regime de tributação: auxílio de um bom escritório de contabilidade


Logo no início da empresa, será necessário decidir o CNAE e o regime de tributação. Esses dois
aspectos, quando bem atribuídos ao negócio implicam em uma considerável economia de
dinheiro. A melhor escolha depende do faturamento, do lucro e das atividades exercidas.
Um bom escritório de contabilidade deve analisar os produtos e serviços oferecidos pela
empresa e apresentar o melhor regime, considerando a menor carga tributária e as legislações
vigentes.


Além de escolher entre os três regimes tributários, Simples Nacional, Lucro Presumido e Lucro
Real, é preciso considerar questões particulares aos segmentos. As empresas mecânicas e
autopeças, por exemplo, são isentas de alguns impostos devido à tributação monofásica. Já os
e-commerces, dependendo do Estado, podem usufruir de benefícios para empresas que
realizam vendas exclusivamente não presenciais.


Precisa de ajuda?


Quer abrir uma empresa e precisa de ajuda neste processo? A escolha de um escritório de
contabilidade sério e de confiança, lhe dará tranquilidade para se dedicar ao empreendimento.
A BRASCT é referência em contabilidade para pequenas empresas, oferecendo uma gama de
serviços contábeis, tributários e de recursos humanos, com um trabalho sério e cuidadoso. Se
deseja tirar seus planos do papel ou migrar para um escritório que te atenda de forma eficaz e
personalizada, estamos à sua disposição.


Contabilidade para autopeças e mecânica em São Paulo


Contabilidade para autopeças e mecânica em São Paulo





Como pagar menos impostos?


Como pagar menos impostos?





Como calcular os impostos de uma pequena empresa?


Como calcular os impostos de uma pequena empresa?



5 ideias de empreendedorismo para mulheres

Conciliar a rotina de casa, filhos e trabalho é uma tarefa difícil para as mulheres. A gravidez, por exemplo, faz com que o mercado de trabalho feche as portas para muitas trabalhadoras. É aí que muitas delas resolvem apostar no empreendedorismo.

Ao longo dos últimos anos, o número de mulheres empreendedoras aumentou no país. Os dados do Sebrae, em parceria com a empresa de pesquisa Global Entrepreneurship Monitor (GEM), mostram que, entre 2017 e 2018, a proporção de mulheres empreendedoras saltou de 38% para 45%.

No total, a estimativa é que existam 24 milhões de trabalhadoras com o próprio negócio, contra 28 milhões de homens. Esse número, no entanto, vem crescendo. Isso, porque as empreendedoras brasileiras costumam ter um nível de escolaridade 16% maior do que os homens.

5 ideias de empreendedorismo para mulheres

Se você deseja entrar no ramo do empreendedorismo, mas não sabe por onde começar, separamos algumas ideias que irão te inspirar. Para auxiliá-la nesse processo, você pode contatar a nossa ajuda via WhatsApp.

Que tal a culinária profissional?

Nesse segmento, a trabalhadora escolhe algo que já costuma fazer como um hobby, seja preparando aquele jantar ou aquela sobremesa especial. Por exemplo, salgadinhos para festas e eventos, marmitas e brigadeiros, são ideias que podem fazer você ganhar dinheiro.

No início, o preparo pode ser em casa mesmo. Para concretizar os planos, você precisa de uma cozinha que suporte a atividade, tempo e, é claro, bons fornecedores.

Conforme o negócio for prosperando, é possível abrir o próprio restaurante. Na busca por uma alimentação mais saudável, tem aumentado a procura por uma dieta vegetariana ou vegana. Essa é uma tendência, portanto, na qual a empreendedora pode apostar.

Sustentabilidade + tecnologia nos bares

A tecnologia tem se tornado uma aliada do segmento da alimentação, principalmente por causa dos novos aplicativos de entrega, como iFood, Uber Eats e Rappi. Investir em bares que aderem a essa modalidade de entrega é fundamental para a sobrevivência no século XXI.

Por isso, a empreendedora precisa repensar alguns conceitos, como o tipo de embalagem que utiliza e como consegue adaptar o conceito de sustentabilidade ao negócio.

Evitar o desperdício de alimentos, investir em produtos orgânicos, apostar no hambúrguer vegano, aquele feito à base de plantas, e descobrir as bebidas fermentadas e não alcoólicas são algumas das novidades de empreendedorismo.

Moda inclusiva

Hoje, o setor está percebendo que é preciso abraçar a diversidade de corpos e medidas. Por exemplo, roupas sem zíperes e sem botões para pessoas com deficiência e modelos estilizados para plus size são ideias de negócios para as mulheres apostarem.

Mulheres no setor automotivo

Tradicionalmente demarcado pelo perfil masculino, as mulheres têm conquistado espaço no setor automotivo. Isso, porque o número de motoristas também tem aumentado.

Ou seja, mulheres preferem ser atendidas por outras mulheres. Então, se você gosta do setor, por que não apostar em uma oficina mecânica, por exemplo, comandada apenas pelo sexo feminino?

Marida de aluguel

Sabe aqueles reparos que toda residência precisa? Se você sabe trocar chuveiro, arrumar torneiras, pintar paredes e instalar luminárias, esse segmento é para você. Com mais pessoas morando sozinhas, a procura por serviços assim tende a aumentar.

Participar de cursos de pedreiro, edificações, eletricista são algumas das possibilidades para as empreendedoras que pretendem se aventurar na área.

O que achou das ideias? Para colocá-las em prática, você precisa organizar as finanças. Que tal receber o auxílio de uma empresa de contabilidade? Solicite nosso contato via WhatsApp.

 

WhatsApp contabilidade em são paulo

7 dicas para as mulheres que desejam abrir o seu próprio negócio

Você sabe o que precisa para abrir seu negócio e ser uma empreendedora de sucesso? Se a resposta for não, veja neste post 7 dicas para mulheres empreendedoras abrirem seu próprio negócio e se destacar no mundo empresarial. Veja abaixo essas dicas essenciais para empreendedores:

Conheça bem o ramo de negócio

A primeira dica é ter um bom conhecimento da área em que deseja abrir seu negócio. São raras as pessoas que empreendem sem ter um conhecimento profundo da área e conseguem obter sucesso em seu negócio.

Se você está disposta a investir, mas ainda não tem ideia de um negócio que seja lucrativo, aposte em franquias. Esse ramo é ideal para quem deseja empreender com mais assertividade e sem tantos riscos.

Ignore comentários

Muita gente vai falar para você abrir uma loja de roupas, perfumes, confeitaria, etc. Mas ignore esse machismo presente na sociedade. Se você tem experiência e conhecimento profundo em uma área diferente dessas citadas, utilize esse conhecimento a seu favor e abra um negócio fazendo aquilo que sabe de melhor.

Tenha um plano de negócio

Um erro de empreendedores de primeira viagem é iniciar a empresa sem ter um plano de negócios concreto. Claro, o mundo do empreendedorismo exige uma porcentagem de risco. Mas esse risco pode ser controlado e planejado por meio do plano de negócio.

No plano de negócio você terá uma pesquisa de mercado, vai conhecer seus concorrentes, ponto de equilíbrio, meta de vendas, fornecedores, perfil de clientes, entre outros itens para fazer um negócio de sucesso.

Se você não sabe ou não tem ideia de como é feito um plano de negócios, conheça nossa consultoria para empresas e saiba como nós podemos ajudá-lo!

Aposte em marketing digital

Nenhum negócio sobrevive por muito tempo sem uma boa estratégia de marketing. Por isso, utilize as ferramentas de marketing digital a seu favor. Crie um site bacana, divulgue seu negócio nas redes sociais e busque interação com sua audiência. Por um custo bem mais atrativo do que a mídia tradicional, você consegue fortalecer a sua marca e aumentar a visibilidade da sua empresa.

Aproveite também para fortalecer o seu nome como empreendedora. Mostre para sua audiência o seu exemplo como mulher empreendedora e ganhe cada vez mais admiração das pessoas e dos seus clientes.

Conte com a ajuda da tecnologia para gerenciar seu negócio

Independente da área em que deseja empreender, a utilização da tecnologia será fundamental. Um exemplo são os softwares de gestão empresarial (ERP). Eles integram os diversos setores da empresa e centralizam as informações para uma melhor gestão dos processos.

Outra vantagem dos softwares de gestão é poder gerenciar sua empresa de qualquer lugar, pois as informações podem ser acessadas de qualquer dispositivo conectado a internet. Por isso, não deixe de investir em ferramentas tecnológicas que facilitem o trabalho na empresa.

Teste o produto ou serviço antes de iniciar a empresa

Antes de iniciar as operações do seu negócio, é bem importante ter um feedback sobre o seu produto ou serviço. Isso inclui saber a qualidade, se existe demanda, se o produto é bem aceito, se o preço é justo, se existe uma boa margem de lucro, entre outros quesitos.

Isso evita que você abra um negócio e se frustre com a falta de clientes, por exemplo.

Formalize sua empresa e tenha segurança jurídica

Por fim, faça a formalização do seu negócio e tenha segurança jurídica para operar sua empresa. Isso evita problemas com órgãos de fiscalização como Receita Federal, Corpo de Bombeiros, Vigilância Sanitária, etc.

Além disso, você terá CNPJ, alvarás de funcionamento, poderá emitir notas fiscais, ter acesso aos benefícios previdenciários, pode contar com empréstimos e crédito de instituições financeiras, entre diversas outras vantagens ao formalizar seu negócio.

Gostou dessas dicas? Entre em contato conosco e tenha a melhor consultoria em contabilidade para o seu futuro negócio crescer e alcançar o sucesso.

 

WhatsApp contabilidade em são paulo

Quais os desafios encontrados pelas mulheres no setor de empreendedorismo?

Ser mulher nunca foi fácil e no mundo do empreendedorismo não é diferente. Felizmente, cada vez mais encontramos mulheres entrando no universo corporativo e abrindo seu próprio negócio. Entretanto, embora seja um assunto bastante discutido, ainda existem inúmeros desafios e barreiras enfrentados pelo sexo feminino nesse setor.

Empreender já é uma ação corajosa para qualquer um. Tirar as ideias do papel e dar início a um processo burocrático, demorado e, muitas vezes, desanimador, em meio ao enorme fluxo da concorrência, é uma tarefa complicada e que exige muita paciência, dedicação e esforço.

Agora, some todos esses obstáculos com o fato de ser mulher e pronto: encontramos um cenário mais difícil e cheio de desigualdades. Não é novidade para ninguém que, mesmo com mudanças importantes em relação aos direitos das mulheres, o ambiente corporativo tende a facilitar a vida dos homens, com salários mais altos (de acordo com pesquisa salarial da Catho) e preferência em cargos gerenciais (de acordo com o IBGE, mulheres ocupam apenas 38% dos cargos de chefia mesmo representando 51,7% do mercado de trabalho).

Mesmo com o aumento de mulheres empreendedoras em uma sociedade moderna e que levanta discussões e pautas fundamentais em prol do sexo feminino, são muitos os desafios que ainda precisam ser superados.

Quer saber mais sobre os desafios enfrentados pelas mulheres no empreendedorismo? Então, continue a leitura e confira os principais obstáculos. Você também pode entrar em contato conosco para consultar nossos serviços disponíveis. Estamos prontos para te ajudar!

O machismo

Dentre todos os desafios, conviver em um ambiente extremamente machista é um dos principais obstáculos enfrentados por mulheres. Claro que já existem debates em pauta há anos sobre esse assunto, entretanto, comentários e pensamentos discriminatórios, inclusive de pré-conceitos estabelecidos ainda são frequentes.

Muitas empresas dão preferência para contratação de homens, principalmente em setores em que a presença masculina é maior, como informática ou engenharia. O espaço para mulheres desenvolverem suas habilidades se torna limitado, já que os investimentos são inferiores ou até mesmo inexistentes.

Infelizmente, ainda existe muito preconceito e desigualdade no mundo do empreendedorismo. Entretanto, muitos estudos já indicam que as mulheres estão cada vez mais influentes na área, encontrando seu espaço e motivações no mercado.

Falta de incentivo

Com um cenário tão desanimador, encontrar ânimo e coragem para enfrentar as barreiras do empreendedorismo não é uma tarefa fácil. Muitas mulheres acabam desistindo sem nem ao menos tentar. A falta de incentivo de familiares e amigos também pode abalar a autoconfiança, fazendo com que a mulher não confie no seu próprio potencial.

Os preconceitos já enraizados na nossa cultura também têm grande influência para aumentar o desânimo e desestimular as mulheres que querem começar a empreender ou que já estão inseridas no mercado. Por isso, é fundamental buscar inspiração em casos de sucesso e não se deixar abalar por críticas ou falta de incentivo.

A dupla jornada

Conciliar vida pessoal e profissional já é um desafio por si só. Para as mulheres, então, existe um esforço redobrado, já que muitas, além de administrar o financeiro, ainda precisam ter tempo para os filhos e tarefas domésticas.

É como se o trabalho não acabasse nunca, afetando não somente o físico, mas também o psicológico. Empreender e cuidar da família são dois trabalhos que exigem muito da mulher, mas que no final são responsáveis por trazer satisfação e orgulho.

Dificuldade em conseguir investidores

Relacionado à desigualdade social, conseguir investidores para negócios comandados por mulheres também é um assunto delicado. Segundo levantamento feito pelo Global Entrepreneurship Development Institute, menos de 10% conseguem recursos para investimento.

Em um ambiente predominantemente masculino, muitas mulheres acabam recorrendo aos próprios recursos para manter a sua empresa em pé e viva no mercado.

Portanto, é fundamental planejar e continuar lutando para que o cenário mude em favor das mulheres, caminhando para uma sociedade mais justa e igualitária.

Gostou de saber sobre o assunto? Entre em contato conosco pelo WhatsApp, nosso atendimento é rápido e eficiente!

 

WhatsApp contabilidade em são paulo